15 de jul de 2015

Teste do Mercedes-Benz GLA 250 Sport

Teste do Mercedes-Benz GLA 250 Sport

A Mercedes-Benz caminha na contramão do mercado nacional de automóveis. A queda geral é de 19,8%, enquanto a marca alemã encerrou o primeiro semestre de 2015 com recorde de vendas e crescimento de 50,7%. Parte dessa conquista é creditada ao bom desempenho do GLA, que emplacou 1.880 unidades no período e ganhou versões intermediárias em abril, as 250. Com visual esportivo e disposto a conquistar mais consumidores na faixa dos 40 anos, o crossover ainda conseguiu uma configuração com “look” similar ao dos produzidos pela divisão raivosa da marca, a AMG. Trata-se do GLA 250 Sport. Já no ano que vem entrará em produção nacional, junto com o Classe C, na fábrica que a marca inaugurará em Iracemápolis, no interior de São Paulo.  

Veja também:
  • Impressões do Mercedes-Benz GLA 250
  • Teste do novo Mercedes-Benz GLA
Sob o capô, está o conhecido propulsor 2.0 litros turbo de 211 cv a 5.500 rpm e 35,7 kgfm de torque entre 1.200 e 4 mil giros, usado em diversos modelos da Mercedes no Brasil. O trem de força é sempre completado com a uma transmissão automatizada de sete marchas e duas embreagens. O conjunto é capaz de levar o GLA 250 de zero a 100 km/h em 7,2 segundos e atingir 235 km/h de velocidade máxima – limitada eletronicamente. A tração é dianteira. A intenção é competir com a versão de topo do Audi Q3, o Land Rover Evoque e o BMW X1. Para isso, o GLA 250 Sport tem uma lista extensa de itens de série. Em termos de segurança e tecnologia, há assistente de partida em subidas, controles automáticos de estabilidade e tração, seis airbags, bancos dianteiros elétricos e com memória, sistema que monitora o comportamento do motorista, chave presencial, faróis bixenônio com limpadores e luzes diurnas de leds, alerta em sinais de desatenção e função hold, que dispensa o pé fixo no pedal do freio em paradas rápidas. O sistema start/stop auxilia na economia de combustível e o entretenimento a bordo fica por conta da central multimídia com rádio, GPS, Bluetooth, entrada USB, conexão com internet – através de um smartphone com rede de dados – e memória de 10 GB. As manobras são facilitadas pela câmara de ré, mas quem quiser ainda pode optar pelo uso do park assist, que estaciona o veículo praticamente sem a interferência do motorista. 

A estética da versão Sport tem um charme extra em relação às mais baratas do GLA: recebe um toque da AMG. O crossover ganha o kit visual da divisão esportiva da marca, que leva para-choque dianteiro com entradas de ar mais largas, rodas exclusivas de 19 polegadas e pequenas aberturas do para-choque traseiro para a passagem de ar. Por dentro, o acabamento também se difere, com revestimento dos bancos em Alcantara e detalhes cromados, aliados às costuras avermelhadas dos bancos, volante e painéis das portas. O preço do GLA Sport é de 189.900, R$ 17 mil a mais que a 250 Vision, com o mesmo trem de força. O preço é alto, mas se encaixa bem na proposta de configuração intermediária do SUV alemão. A configuração de entrada, a GLA 200 Style, parte de R$ 128.900. Já a mais cara, a GLA 45 AMG 4M – com a assinatura da divisão esportiva e 360 cv de potência – é vendida a 298.900. Na concorrência, quem mais se aproxima de seus valores é o Audi Q3, que começa em R$ 127.190 e pode chegar até R$ 285.190 na configuração RS. A BMW oferece menos potência e torque em sua versão de topo e seus preços no X1 variam entre R$ 137.950 e R$ 158.950. Mas o mais vendido entre os crossovers premium é justamente o modelo que não conta com motorizações menores. O Land Rover Range Rover Evoque só sai das concessionárias a partir de R$ 197.500, com motor de 2.0 turbo de 240 cv. De qualquer forma, a julgar pelas análises dos especialistas no setor automotivo, o mercado de luxo ainda tem muito a crescer no Brasil. E a Mercedes trabalha em uma faixa de preços que pode atrair consumidores com prioridades e poder aquisitivo diferentes.

Ponto a ponto

Desempenho – O motor 2.0 do GLA 250 entrega 211 cv a 5.500 rpm e torque de 35,7 kgfm entre 1.200 rpm e 4 mil rpm. Na prática, o propulsor garante acelerações vigorosas desde as arrancadas até as ultrapassagens e retomadas. A transmissão automatizada de dupla embreagem de sete velocidades tem trocas rápidas e imperceptíveis – há ainda opção de mudanças manuais nos volante. E não falta força em nenhum momento. O zero a 100 km/h em 7,2 segundos expressa bem a esportividade do crossover. Nota 9. Estabilidade – O GLA 250 é bem grudado ao chão. Não há torções e o carro está sempre equilibrado, seja numa reta de estrada ou em caminhos mais sinuosos enfrentados em velocidades altas. A direção tem peso correto e ganha mais firmeza quando o crossover é levado ao limite. Os controles eletrônicos de estabilidade e tração estão ali, mas quase não precisam se manifestar – a não ser que se trate de um motorista realmente abusado. Nota 9. Interatividade – Os comandos ficam todos nos lugares clássicos e ao alcance do motorista. É preciso apenas algum tempo para se ganhar intimidade com as inúmeras funções oferecidas pelo carro. Nos minutos iniciais de contato, talvez a transmissão no volante cause estranheza. Mas, em pouco tempo, é fácil se acostumar. A central multimídia de 7 polegadas é recheada de funções, mas o uso não é tão intuitivo. Nota 8.

Consumo – O Mercedes-Benz GLA 250 foi avaliado no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular do Inmetro e registrou 9,7 km/l na cidade e 11,8 km/l na estrada. Os números renderam nota C na classificação geral e dentro de sua categoria, com consumo energético de 2,09 MJ/km. Nota 5. Conforto – O GLA é bastante amplo, com bom espaço para pernas e cabeças. Apesar da suspensão não ser macia, somente os buracos mais fundos são capazes de trazer desconforto ao interior. Nisso, também ajudam os bancos extremamente aconchegantes, com apoio lombar e abas bem proeminentes – que seguram com eficiência o corpo dos passageiros dianteiros nas curvas. Nota 9. Tecnologia – O GLA 250 tem luzes de freio adaptativas, função Hold – que imobiliza o carro em paradas temporárias, como nos semáforos, sem precisar manter o pé no freio –, assistência de partida em aclives, park assist – que estaciona o veículo em vagas transversais e paralelas –, central multimídia com sistema de navegação GPS e acesso à internet por Bluetooth, memória de 10 GB para arquivos de áudio e outros aparatos que impressionam. Nota 9.

Habitabilidade – Os porta-objetos são bons e o porta-malas abriga 421 litros. O GLA 250 não chega a ser tão espaçoso quanto um SUV médio, mas abriga bem quatro ocupantes. No caso de um quinto elemento, como na maior parte dos modelos com suas proporções, os passageiros de trás podem sentir algum aperto. Nota 8. Acabamento – Os acabamentos cromados e costuras vermelhas agradam já no primeiro contato com o modelo. A sofisticação impera no habitáculo na versão Sport avaliada. Os materiais são todos aparentemente de qualidade exemplar e conseguem, além de transmitir robustez, proporcionar suavidade ao toque das mãos em quase todas as áreas. Há uma atmosfera de modelo premium em todos os cantos. Nota 9. Design – As proporções do GLA enganam. Tem linhas de um hatch comum, mas na prática se mostra um eficiente crossover executivo compacto. Na versão 250 Sport, ganha o kit visual AMG, que introduz para-choque dianteiro com entradas de ar mais largas, rodas exclusivas de 19 polegadas e uma saída de ar que ajuda a refrigerar os freios. O excesso de vincos no capô, laterais e teto expressam a vertente “nervosa” de seu motor. Nota 9.
Custo/benefício – O Mercedes-Benz GLA 250 Sport sai das lojas por R$ 189.900. A Audi cobra R$ 190.190 no Q3 Ambition, com 220 cv e zero a 100 km/h em 6,4 segundos, 0,8 segundo a menos que o GLA. A BMW não traz atualmente para o Brasil o X1 com 248 cv por causa do face-lift revelado pela marca no mês passado. A topo de linha deles é a xDrive 20i GP Teto, a R$ 158.950, mas com motor de 186 cv e torque de 27,5 kgfm. Já o Land Rover Range Rover Evoque só está disponível em motor 2.0 a gasolina de 240 cv ou 2.2 diesel de 190 cv. Os preços começam em R$ 197.500 e chegam a R$ 281 mil. O GLA 250 Sport oferece desempenho e requinte por um valor que, no Brasil, só tem mesmo como concorrente direto o Audi Q3 Ambition. Nota 7. Total – O Mercedes-Benz GLA 250 Sport somou 82 pontos em 100 possíveis.

Impressões ao dirigir

O visual, de longe, pode até se confundir com o de um hatch mais encorpado. Porém, o Mercedes-Benz GLA é bem mais robusto e “gordo” que o Classe A, com quem divide a plataforma. Os numerosos vincos conferem uma estética “nervosa” que, na versão avaliada, a 250 Sport, ganha ainda mais esportividade com o kit visual AMG, que valoriza a dianteira com largas entradas de ar no para-choque, o perfil com as avantajadas rodas de 19 polegadas e a traseira com pequenas passagens de ar no para-choque. Por dentro, o espaço impressiona. Há uma área boa para cabeças e pernas de todos os seus ocupantes, sem que os traseiros dependam demais da boa vontade dos passageiros da frente. O porta-malas engole bons 421 litros e sua altura é mais próxima a de um hatch “altinho” do que a de um SUV, o que facilita o acesso ao seu habitáculo. Os bancos esportivos da versão são eficientes tanto na acomodação quanto na hora de controlar o corpo de quem viaja na dianteira, em curvas mais acentuadas e que sejam encaradas com uma pegada mais esportiva.
O desempenho, aliás, é outro trunfo do GLA 250. O motor 2.0 turbinado de 211 cv se mostra vigoroso em qualquer situação. O bom torque de 35,7 kgfm se faz presente já a partir dos 1.200 giros. Na prática, isso significa excelentes saídas de sinal, ultrapassagens e retomadas sem que se precise recorrer a reduções de marchas emergenciais. A transmissão automatizada de dupla embreagem e sete velocidades também se comporta de maneira ímpar. As trocas são sempre imperceptíveis e o câmbio trabalha em tamanha sintonia com o propulsor que dificilmente aparece a vontade de recorrer às mudanças manuais – disponíveis no volante. A suspensão firme só mostra sua desvantagem ao se deparar com buracos de fato grandes. Na estrada, porém, é de uma eficiência que surpreende. Segura com competência o rolamento da carroceria nas curvas e deixa o crossover sempre na mão do motorista. A direção também tem um comportamento exemplar e não demanda correções nas velocidades mais altas. O GLA 250 sabe se manter em linha reta sem sacrifícios. Seja em perímetro urbano ou em uma longa viagem de estrada, trata-se de um carro que proporciona, além de conforto, bastante diversão.

Ficha técnica

Mercedes-Benz GLA 250 Sport

Motor: Gasolina, dianteiro, longitudinal, 1.991 cm³, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro, turbo, comando duplo de válvulas no cabeçote variável na admissão e no escape. Acelerador eletrônico e injeção direta.
Transmissão: Automatizada de duas embreagens e sete marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira. Oferece controle de tração.
Potência: 211 cv a 5.500 rpm.
Torque: 35,7 kgfm entre 1.200 rpm e 4 mil rpm.
Aceleração de zero a 100 km/h: 7,2 segundos.
Velocidade máxima: 235 km/h.
Diâmetro e curso: 83 mm x 92 mm. Taxa de compressão: 9,8:1.
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, braço inferior triangular, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora. Traseira four-link, mola helicoidal, amortecedor pressurizado e barra estabilizadora.
Pneus: 235/45 R19.
Freios: Discos ventilados na frente e sólidos atrás.
Carroceria: Utilitário esportivo em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 4,41 m de comprimento, 1,80 m de largura, 1,49 m de altura e 2,70 m de distância entre-eixos. Oferece airbags frontais, laterais e de cortina de série.
Peso: 1.455 kg em ordem de marcha.
Capacidade do porta-malas: 421 litros.
Tanque de combustível: 50 litros.
Produção: Rastatt, Alemanha.
Lançamento mundial: 2013.
Lançamento no Brasil: 2015.

Itens de série e Preço

GLA 250 Vision: paddle-shifts para trocas manuais, controles eletrônicos de estabilidade e tração, assistente de partida em subidas, barras longitudinais no teto, faróis bixenônio com limpadores e leds, sete airbags, sistema start/stop, sensor de chuva, piloto automático, limitador de velocidade, direção elétrica progressiva, volante multifuncional revestido em couro sintético, ar-condicionado digital, sistema multimídia com rádio, Bluetooth, entrada USB e memória de 10 GB, park-assist, alerta de fadiga, aviso de perda de pressão dos pneus, bancos esportivos revestidos em couro sintético, rodas de liga leve de 19 polegadas AMG, ajuste elétrico dos bancos dianteiros, teto solar panorâmico, navegador GPS, ar-condicionado dual zone, acabamento interno dos bancos dianteiros em Alcantara, câmara de ré, abertura e fechamento elétricos do porta-malas, botão start/stop e acabamento dos bancos, volante e painéis das portas com costuras vermelhas e interior com detalhes cromados.
Preço: R$ 189.900.
Presença em cena - Destaque de vendas da Mercedes no Brasil, GLA une luxo e diversão na versão 250 Sport

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes
Publicado em: 15 Jul 2015 11:30:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário