29 de jul de 2015

Papo de roda - De médico, técnico e louco...

Papo de roda - De médico, técnico e louco...




O mecânico joga fora a válvula termostática. E não é que ele – aparentemente - tem razão, pois o carro para mesmo de ferver? “... todos temos um pouco” é o que diz o ditado. Na oficina, por exemplo, todos dão palpite. Tem mecânico que critica e até despreza soluções dos engenheiros que projetaram o automóvel. Acredito no conhecimento empírico adquirido pela prática, mas tem hora que extrapolam, interferem no projeto original e ainda esnobam:  “vai ficar bem melhor, viu doutor!”.   Termostática – O carro chega na oficina fervendo. O mecânico abre o capô, tira e joga fora a válvula e diz: “Tá vendo, doutor, a culpa é dela, pois foi projetada para o frio europeu, mas aqui, só atrapalha!”. O doutor, entre espantado e incrédulo, vai embora e... o carro não ferve mais!  Claro, pois o problema era da válvula emperrada que impedia a água de circular. Mas o correto seria substituí-la por uma nova, pois sua presença é essencial  para que o motor, principalmente ao ser ligado de manhã, atinja rapidamente a temperatura ideal de funcionamento. Rodas de liga–  As oficinas de reparação protestam: “Quem disse solda na roda de liga deixa fissuras internas?” ou “Quem disse que não temos condições técnicas e equipamentos adequados?”. Quem tentou dizer foram os muitos donos de carros que tiveram as rodas reparadas com solda mas – assim como o cantor Cristiano Araújo – não puderam reclamar na oficina  irresponsável que fez o “serviço”... Querosene – Já vi posto que tinha, entre as bombas de gasolina e etanol, uma terceira de querosene. Um “santo remédio”, diziam alguns mecânicos, para melhorar o desempenho, reduzir consumo e limpar o motor flex. Bastavam  5 a 10% misturados ao álcool. E ouvi taxistas defendendo a “receita”... Booster  - Aditivo é capítulo à parte no rol das impropriedades mecânicas. Na gasolina, sugerem o booster,  uma dose extra de oxigenação para melhor desempenho do motor. Só em outros países pois no Brasil, onde já temos quase 30% de etanol,  sobra oxigênio na gasolina... Economizadores  - São dezenas  os aparelhos “mágicos” que prometem economia de combustível.  Em geral, é um dispositivo eletrônico colocado nos fios de ignição ou uma engenhoca mecânica no circuito de alimentação de combustível.  A internet está cheia deles. Tem turbina na entrada de ar, indutor magnético na gasolina, tem de tudo. Garantem redução de “até” 20% no consumo. (Este “até” pode não passar de zero, 1% ou 2%...). Será que, se cumprissem o que prometem, as fábricas de automóveis não seriam as primeiras a se interessar por eles? Na época do carburador,  mecânicos anunciavam um recurso infalível para reduzir o consumo. E diminuam o “gicleur” (giguilê) de gasolina para restringir sua passagem. O carro realmente passava a beber menos. Mas, meses depois aparecia com pistões derretidos por excessiva temperatura de combustão. E ninguém sabia explicar...   Cadeirinha  - O governo tornou obrigatório, há alguns anos, a cadeirinha para crianças. Mas, por falta de regulamentação,  só era exigida nos automóveis. Nem taxis não tinham obrigação de utilizá-las. No mês passado, a obrigatoriedade se estendeu para vans escolares. Mas só dá para dependurá-las em assentos com cintos de três pontos e nossas vans só tem os de dois pontos.  Um “técnico” do Detran sugeriu instalar mais um ponto de fixação para se colocar o cinto de três pontos. Ignora que o ponto tem que ser projetado para isso pela fábrica. Caso contrário, num impacto, ele não resiste ao esforço (de toneladas) e sai voando junto com cinto, cadeirinha e criança...

Fonte: R7
Publicado em: 2015-07-22T19:14:00-03:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário