12 de ago de 2015

Teste do Nissan Versa 1.0 S

Teste do Nissan Versa 1.0 S

A Nissan sempre deixou clara sua meta no Brasil: chegar aos 5% de participação de mercado até o fim de março de 2017. Para isso, a marca nipônica tratou de inaugurar sua fábrica em Resende, no Sul do Rio de Janeiro, e apostar em modelos de volume, caso do sedã compacto Versa. E diante da evolução constante que caracteriza o segmento automotivo, passou a oferecer o três volumes também com motor 1.0 flex – até então, só tinha versões 1.6. E recheado com itens de conforto considerados básicos, sem futilidades estéticas. Uma equação que aparece claramente na configuração 1.0 S, que responde por 14% das vendas do modelo atualmente. Ou seja, é a terceira mais requisitada pelos compradores. Perde apenas para as duas de topo, Unique e SL.  Veja também:
  • Impressões do Nissan Versa 2015 “made in Brazil”
  • Teste do Nissan Versa Unique
O motor 1.0 em questão é o moderno propulsor bicombustível de três cilindros, 12 válvulas e sistema de partida a frio sem o ultrapassado tanquinho. Ele é fabricado pela Nissan no Brasil e foi adotado tanto no Versa quanto no hatch March no mês de março. Com cabeçote e bloco em alumínio, ele usa uma corrente interna no lugar da famigerada correia dentada, o que reduz consideravelmente a necessidade de manutenção. O motor atinge 77 cv e 10 kgfm de torque tanto com gasolina quanto com etanol no tanque e está sempre associado à transmissão manual de cinco marchas.

A configuração 1.0 S está posicionada acima da versão de entrada 1.0 e logo abaixo da mais barata com motor 1.6, a SV. Seus itens de série englobam ar-condicionado, banco do motorista com regulagem de altura, computador de bordo, direção elétrica, retrovisores elétricos, travas e vidros dianteiros elétricos e alarme. Além disso, recebe rodas de liga leve de 15 polegadas, rádio com CD/MP3/USB/Bluetooth e volante multifuncional. O preço é R$ 45.490, exatamente R$ 2 mil a menos que a versão 1.6 SV, que traz os mesmos equipamentos, com exceção das rodas, que são de aço na versão mais barata com propulsor 1.6. Desde que a versão reestilizada e produzida no Brasil chegou a mercado, o Versa apresenta um crescimento constante em suas vendas, apesar do cenário de queda no mercado automotivo. No primeiro mês cheio, abril último, conseguiu 1.313 emplacamentos. Número que vem subindo a cada mês – conquistou 1.972 exemplares comercializados apenas em julho. Pode até parecer pouco para a ambiciosa meta de 5% de participação da Nissan. Mas certamente a posiciona de maneira consistente em uma das categorias mais concorridas do país: a dos sedãs compactos.

Ponto a ponto

Desempenho – O novo motor de três cilindros da Nissan até mostra algum vigor em giros baixos, mas o torque de 10 kgfm aparece apenas em 4 mil rotações. O modelo se sai melhor no tráfego urbano, porém ultrapassagens e retomadas em estradas são feitas com eficiência quando se recorre às reduções de marchas – situação típica em modelos com motores similares. Nas subidas, não há milagre: trata-se de um motor 1.0 e em algumas situações, a sensação de falta de força aparece. Nota 7. Estabilidade – O Versa é um sedã relativamente leve – são 1.056 kg na versão 1.0 S. A direção é extremamente suave, mas em velocidades acima de 110 km/h falta um pouco de firmeza no volante. O comportamento nas curvas é equilibrado e a aderência é boa. As rolagens de carroceria aparecem, mas não chegam a assustar. Nota 7.

Interatividade – O Nissan Versa 1.0 S é um carro simples, de maneira geral. São poucos comandos e quase todos bem posicionados. A exceção é o controle dos retrovisores elétricos, posicionado atrás do volante, do lado esquerdo. A direção elétrica é bem suave nas manobras de estacionamento e a retrovisão é condizente com o segmento. Não há luxos ou enfeites: trata-se de um sedã funcional. Nota 7. Consumo – O Versa com motor 1.0 recebeu nota “A” tanto na sua categoria quanto na classificação geral do Programa Brasileiro de Etiquetagem do InMetro, com médias de 12,6/8,5 km/l em trajeto urbano e 15,2/10,4 km/l na estrada, com gasolina/etanol no tanque. Seu índice de consumo energético foi de 1,59 MJ/km, o que é excelente para um sedã. Nota 9.

Conforto – O Versa é um sedã compacto com espaço interno de modelo médio. Quatro pessoas viajam com bastante folga e um quinto elemento, em trajetos curtos, não interfere tanto. A suspensão absorve com alguma competência as irregularidades, mas permite a rolagem da carroceria nas curvas, o que incomoda os ocupantes. O precário isolamento acústico rouba conforto interno e denuncia a categoria do modelo. Em rotações altas, o barulho do motor invade a cabine sem a menor cerimônia. Nota 7. Tecnologia – A carroceria do Versa foi reforçada, há novos materiais no assoalho, painéis laterais e frontais e mais pontos de solda. Desde março último, o sedã passou a contar com o novo motor 1.0 flex de três cilindros. O propulsor é moderno e leve, com cabeçote e bloco em alumínio, e elimina o tanquinho de gasolina para partida a frio – graças ao Flex Start Bosch, sistema que gerencia eletronicamente a operação de aquecimento do combustível e permite a ignição em temperaturas baixas mesmo quando abastecido com 100% de etanol. A direção elétrica é um trunfo neste segmento de compactos e, junto com os vidros elétricos nas quatro portas, travas elétricas e ar-condicionado, já sai de fábrica na versão S. Nota 8.

Habitabilidade – O bom ângulo de abertura das portas faz com que seja bem fácil entrar e sair do carro. No interior, existem vãos suficientes para guardar objetos de uso pessoal. O porta-malas carrega 460 litros e o excelente espaço interno é um dos principais pontos altos do carro. Nota 9. Acabamento – Há plástico rígido por todos os lados, como ocorre em boa parte dos sedãs compactos no Brasil. A cabine não transmite a ideia de requinte, mas também não faz feio nesse segmento. Os encaixes são bem feitos e os materiais aparentam boa qualidade. Nota 7.
Design – As mudanças estéticas em relação ao Versa que era importado do México são bem sutis. Falta uma personalidade mais atraente ao design. A frente e a traseira são aceitáveis mas o perfil causa estranheza, em função do caimento do teto e do contorno da área das janelas. Nota 7. Custo/benefício – O Nissan Versa 1.0 S custa R$ 45.490. Um Fiat Siena 1.0 equipado à altura sai a R$ 45.494, enquanto um Voyage Comfortline 1.0 chega a R$ 49.960. A Renault pede R$ 43.390 pelo Logan Expression 1.0 e, por mais R$ 1 mil, entrega ele com central multimídia com GPS e sensor de estacionamento traseiro, mas sem rodas de liga leve. O Chevrolet Prisma 1.0 LT é vendido por R$ 46.950 e o Ford Ka 1.0 SE Plus custa R$ 44.490, já com central multimídia, mas ambos com rodas de aço. O Hyundai HB20 1.0 começa em R$45.495, mas sem retrovisores elétricos e rodas de liga leve. Nota 7. Total – O Nissan Versa 1.0 S somou 75 pontos em 100 possíveis.

Impressões ao dirigir

Estética nunca foi forte do Nissan Versa. Trata-se de um sedã bastante discreto e pouco ousado em seu design. Por dentro, a entrega é justa: não há luxos ou requinte, mas também não deixa a desejar diante de seus concorrentes diretos no segmento. O que impressiona mesmo é o seu espaço interno. Os ocupantes traseiros não ficam reféns dos passageiros da frente e desfrutam de boa folga para viagens longas.  Outro grande diferencial é o motor novo de três cilindros. Além dos 77 cv disponíveis tanto com etanol quanto com gasolina no tanque, seu torque é ofertado com boa fartura desde as rotações mais baixas. Isso beneficia as saídas de sinal, as ultrapassagens e as retomadas do modelo, fazendo-o se destacar principalmente no trânsito urbano. O câmbio manual de cinco marchas trabalha em boa sintonia com o motor, com engates precisos.
Nas curvas, as rolagens de carroceria aparecem, mas são controladas. Outro destaque da versão é a direção elétrica de série. Nas manobras de estacionamento e em velocidade baixa, é extremamente leve. Mas basta o ponteiro do velocímetro subir para que o volante ganhe peso e aumente a sensação de segurança. Outra vantagem do motor de três cilindros da Nissan é a ausência de trepidação. Mas basta pisar fundo no acelerador para que seu ruído invada, sem cerimônias, a cabine.

Ficha técnica

Nissan Versa 1.0 S

Motor: A gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 999 cm³, com três cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro e comando variável de válvulas na admissão. Acelerador eletrônico e injeção eletrônica multiponto sequencial.
Transmissão: Câmbio manual de cinco marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira. Não oferece controle eletrônico de tração. 
Potência máxima: 77 cv a 6.200 rpm com etanol e gasolina.
Aceleração 0-100 km/h: 16 segundos.
Velocidade máxima: 162 km/h.
Torque máximo: 10 kgfm a 4 mil rpm com gasolina e etanol.
Diâmetro e curso: 78 mm x 69,7 mm.
Taxa de compressão: 11,2:1.
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson com barra estabilizadora. Traseira por eixo de torção com barra estabilizadora e molas helicoidais. Não oferece controle eletrônico de estabilidade.
Pneus: 185/65 R15. 
Freios: Discos ventilados na frente e tambor atrás. Oferece ABS com EBD.
Carroceria: Sedã em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 4,45 metros de comprimento, 1,69 m de largura, 1,51 m de altura e 2,60 m de distância entre-eixos. Oferece airbags frontais de série.
Peso: 1.056 kg.
Capacidade do porta-malas: 460 litros.
Tanque de combustível: 41 litros.
Produção: Resende, Brasil.
Lançamento mundial: 2011.
Lançamento no Brasil: 2011.
Reestilização: 2015.
Itens de série: Ar-condicionado, banco do motorista com regulagem de altura, computador de bordo, conta-giros, direção elétrica progressiva, vidros dianteiros, travas e retrovisores elétricos, volante com regulagem de altura, faróis de neblina, rodas de aço de 15 polegadas com calotas, airbag duplo, ABS, travamento automático das portas com veículo em movimento, abertura interna do tanque de combustível, desembaçador traseiro, alarme, rádio com CD, Bluetooth, entrada auxiliar, USB e quatro alto-falantes, volante multifuncional e rodas de liga leve com 15 polegadas.
Preço: R$ 45.990.

Autor: Márcio Maio (Auto Press)
Fotos: Isabel Almeida/Carta Z Notícias

Equação racional - Nissan Versa 1.0 S alia motor econômico, espaço amplo e equipamentos funcionais para um três volumes

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes
Publicado em: 12 Aug 2015 09:20:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário