25 de ago de 2015

Papo de roda - Porque não gosto de jipinhos

Papo de roda - Porque não gosto de jipinhos




É irracional pagar por um utilitário esportivo sem tração integral muito mais que por um sedã ou perua.... Como justificar a súbita preferência nacional pelo utilitário esportivo (SUV)? Racionalmente, nenhum argumento. Mas compra racional é de ônibus e caminhão, onde tudo é preto no branco, na ponta do lápis. Quanto custa, qual a capacidade de carga e o custo do quilômetro rodado. E o retorno: quanto sobra no fim do mês? Não importa ser bonitinho ou feinho. No automóvel, a razão dá lugar à emoção. O design fala mais alto: “adorei aquele vermelhinho! Vamos levá-lo, amor?” E o casal fecha negócio na gracinha do SUV vermelho, sem se preocupar com aspectos racionais como valor de revenda, consumo, custos de manutenção, seguro e revisões. O brasileiro já teve outras irracionalidades. Foi único no mundo a preferir carro de duas portas. Modelos europeus tiveram seu projeto original (de quatro portas) adaptado para ser produzido aqui. Madames chiquerésimas faziam ginástica para se acomodar no banco traseiro do Opala cupê com motorista. Não se vendia modelo de quatro portas no Brasil porque “vão confundir meu carro com taxi” ou “é perigoso para as crianças”. Este argumento, aliás, sem nenhum sentido, pois as maçanetas traseiras podiam ser bloqueadas... Existem alguns (poucos) argumentos em favor do utilitário esportivo. O motorista tem melhor visibilidade por ser alguns centímetros mais alto. Passa a impressão de maior segurança (mas fica na impressão mesmo...). No Brasil, enfrenta melhor nossas crateras asfálticas graças às rodas e pneus maiores.   Entretanto, são muitos os pontos negativos dos SUV´s. Seu centro de gravidade elevado prejudica a estabilidade. Quanto mais alto, maior propensão a se inclinar nas curvas e torná-las mais perigosas. Existe uma parafernália de dispositivos eletrônicos para atenuar este efeito maléfico. Mas ainda não se descobriu como mudar o imutável princípio da física que rege o comportamento do automóvel em função da altura do centro de gravidade. Os sistemas de controle resolvem ou atenuam o problema, mas dentro de determinados limites. Outro ponto negativo do SUV é seu peso, dezenas de quilos superior ao do sedã ou perua. Conta que se paga no posto e no ar que respiramos, pois aumenta consumo de combustível e emissões. A maioria dos jipinhos, jipões e congêneres são dotados de dimensões avantajadas, o que dificulta manobras, principalmente em vagas mais apertadas. Encostar um paquiderme destes numa vaga de shopping pode ser um exercício de talento e paciência. Não bastasse, ainda são muitos os utilitários esportivos que carregam o famigerado pneu sobressalente na tampa traseira. As mulheres costumam a-do-rar a solução, pois é prova cabal de estarem ao volante de um jipe. Confere indiscutível aspecto de veículo “macho”, mas já aborreceu donos de automóveis que tiveram o capô amassado ao estacionar inadvertidamente atrás de um SUV. O estepe lá atrás aumenta ainda mais seu peso em função do reforço estrutural para seu suporte. É também um complicador para a abertura da tampa e sua articulação acaba se tornando uma irritante fonte de ruídos. Além de alvo fácil dos ladrões. A rigor, qualquer sedã, perua ou hatch vence os “obstáculos” a que são submetidos “jipinhos e jipões” utilizados por madames para irem às compras ou à manicure. “E nem pensar em botar minha gracinha na lama”...   Finalmente, é irracional pagar por um utilitário esportivo sem nenhum dispositivo adicional de tração muito mais que por um sedã ou perua. Pois as fábricas enfiaram a mão ao perceber a atração exercida por esta nova espécie sobre rodas...

Fonte: R7
Publicado em: 2015-08-24T09:28:00-03:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário