25 de ago de 2014

Aceleramos: novo Classe C cresceu, ganhou recursos inéditos e está mais jovem e 'sexy' no design

Aceleramos: novo Classe C cresceu, ganhou recursos inéditos e está mais jovem e 'sexy' no design



Maior e mais sofisticado, novo Classe C quer deixar para o "irmão" CLA o posto de sedã mais barato da montadora alemã no País Divulgação O carro-chefe da montadora estelar mudou. Se nos últimos anos era comum ver o Classe C estampando promoções da marca em anúncios de revistas, agora ele subiu um degrau e quer retomar a sofisticação esperada por quem sonha com um modelo da montadora alemã. Para isso, cresceu nas dimensões externas, o que refletiu em maior espaço interno, e ganhou um visual mais refinado, inspirado no sedã de alto luxo Classe S, com linhas mais angulosas e agressivas, sobretudo na dianteira. Lançado em quatro versões, o modelo deverá concentrar as vendas na configuração de entrada (C 180 Avantgarde e Exclusive), a partir de R$ 138.900, a qual segundo os executivos da marca responderá por até 70% do mix de vendas. Apesar disso, a montadora disponibilizou somente o modelo topo de linha C250 Sport (R$ 189.900) aos jornalistas, que avaliaram nesta terça-feira (12) o sedã esportivo por cerca de 320 quilômetros entre cidades do ABC paulista. Primeiras impressões Se a ideia era tornar (mais) sofisticada a cabine do Classe C, a Mercedes foi competente na tarefa. Na versão topo de linha, o motorista conta com diversos ajustes elétricos do banco e do volante pequeno e de base achatada, que atende bem à proposta esportiva da versão. No alto do painel, um monitor de 8,4” (7” nas versões mais baratas) reúne as funções de climatização, som, telefonia e GPS, que são controladas por meio de um joystick e um botão giratório no console central.

Menos é mais: cabine do modelo tem visual limpo e sofisticado Divulgação Um filete de botões prateados e o relógio analógico central transmitem elegância ao painel de controle, que tem visual simples e funcional. Entre os itens inéditos da versão esportiva estão leitor de DVD e rodas aro 18” — veja abaixo a ficha técnica de todas as versões. Ao volante, o motor 2.0 litros a gasolina de 211 cv de potência a 5.500 rpm é elástico e trabalha bem em baixas rotações graças ao torque elevado desde cedo (35,69 kgfm entre 1.500 rpm e 4.000 rpm). O câmbio automático de sete marchas, por sua vez, atua de acordo com os cinco modos de condução: no econômico, as trocas são constantes para manter baixo o giro do motor; no modo esportivo, as trocas são feitas em maior rotação. Testamos todos os modos e o carro apontou média rodoviária de 13,6 km/l, abastecido com gasolina aditivada. Em relação ao espaço interno, os passageiros da frente viajam com conforto, mas atrás o ocupante central é prejudicado pelo elevado túnel central. No porta-malas cabem 480 litros. É claro que tudo tem um preço, e no caso do novo Classe C as mudanças elevaram seu valor de entrada para R$ 138.900 na versão mais básica, que preservou o motor 1.6 turbo com 156 cv de potência. Estratégia essa que pode lapidar a imagem do sedã junto aos clientes mais exigentes, mas que vai acelerar a reformulação nos preços do CLA, que hoje custa próximo às versão intermediárias do Classe C e receberá uma versão de entrada, na faixa dos R$ 100 mil. Saiba tudo sobre carros! Acesse www.r7.com/carros
 

Fonte: R7
Publicado em: 2014-08-14T00:21:42-03:00
Ler mais aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário