9 de mai de 2016

CEO da chinesa Lifan diz aguardar decisão sobre Impeachment de Dilma para pensar em investir

CEO da chinesa Lifan diz aguardar decisão sobre Impeachment de Dilma para pensar em investir

Chefão mundial da Lifan, Mu Gang quer definição política rápida Diogo de Oliveira/R7 Exibido em 2014, crossover vem, mas só irá às ruas no fim do ano Diogo de Oliveira/R7

SUV médio X7 leva sete ocupantes e é maior aposta da Lifan Diogo de Oliveira/R7 Utilitário tem design bem resolvido e usa mesmo motor do X60 Diogo de Oliveira/R7 Topo de linha da Lifan, X80 é grande e se destaca pelo porte Diogo de Oliveira/R7 Com operação ainda modesta no Brasil, a Lifan aguarda os próximos capítulos da política nacional para fazer suas investidas. Em visita à sede da montadora em ChongQing, na China, R7 conversou com executivos da montadora, dentre eles o atual CEO, Mu Wang. No bate-papo com um pequeno grupo de jornalistas brasileiros, Mu foi enfático ao dizer que o momento é delicado no País. Segundo o mandatário da marca chinesa, enquanto não houver sinais de estabilidade econômica, é impossível traçar planos maiores. — Não sabemos o que acontecerá no Brasil em termos de liderança, por isso é difícil projetar agora que passos daremos. Há um pensamento, um interesse em ter uma operação maior no País, afinal trata-se de um dos maiores mercados de veículos do mundo. No momento, apostamos em uma estratégia diferente, com foco no pós-vendas e nos concessionários. Ainda somos pequenos, mas é certo que cresceremos muito nos próximos anos. Porém, tudo dependerá do rumo que a política e a economia tomarão. De forma espontânea (e até um tanto sincera), Mu comentou a possibilidade de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Para o executivo, a necessidade de mudar a condução política no País é urgente, para que a economia saia da crise e volte a apresentar estabilidade e até sinais de crescimento. Segundo o CEO, da forma como está, é inviável para investidores estrangeiros cogitar grandes investimentos e aportes financeiros, uma vez que não há como prever o fim da crise e o resgate da confiança. — O impeachment não será favorável à Lifan especificamente, mas esperamos que o cenário econômico possa se estabilizar. Se a economia do País voltar a crescer, com certeza podemos ter uma operação local. Não é uma questão de sair a presidente atual (Dilma), e sim a economia reagir para que as empresas voltem a investir de forma segura. Como investidor, é necessário ter boas perspectivas para dar um passo maior. E da forma como está o Brasil, não há qualquer previsibilidade de cenário futuro. Hatch aventureiro vem aí Durante a entrevista, Mu antecipou boa parte dos planos da Lifan para o próximo triênio. A montadora planeja lançar 14 novos modelos até 2018, dos quais três devem vir para o Brasil. No segundo semestre deste ano, além do X60 CVT (automático), a marca lançará o crossover compacto X50, exibido na edição 2014 do Salão do Automóvel de São Paulo. Segundo a fabricante, o crossover aventureiro (que deriva do sedã 530) já está até homologado, mas virá "em um momento mais adequado". Quando desembarcar por aqui, o X50 tentará atrapalhar a vida de modelos como Hyundai HB20X e Renault Sandero Stepway. Para tanto, virá com um motor 1.5 a gasolina e câmbio manual. Na China, há opção automática, com o mesmo câmbio CVT do X60. Porém, para não atrapalhar a vida do modelo mais vendido, o crossover menor deve oferecer apenas transmissão manual de cinco marchas. A estreia será no fim do ano, possivelmente durante o Salão do Automóvel de São Paulo. Ofensiva de SUVs A febre de utilitários esportivos também chegou à China, e a Lifan deve mandar ao Brasil outros dois modelos recém-lançados em seu país. Ainda não há confirmação de datas, mas a montadora assumiu que estuda vender por aqui os SUVs X7 e X80. Ambos são inéditos e chegariam em 2017, com promessa de acabamento melhorado, maior segurança e tecnologias inéditas. É o caso, por exemplo, da chave presencial com partida do motor por botão e das novas centrais multimídia. Outro item importante é o controle de estabilidade, que virá de fábrica em todas as versões pela primeira vez no X7. O SUV intermediário da marca foi lançado recentemente no mercado chinês e sua principal virtude são os sete lugares, além, é claro, do preço agressivo comum aos veículos chineses. Já o X80 é o SUV topo de linha da Lifan, também com sete lugares, porém com acabemento ainda mais esmerado. Ambos são produzidos em uma nova fábrica equipada com 70 robôs próxima à sede em ChongQing. *O jornalista viajou a convite da Lifan do Brasil Assine o R7 Play e veja a Record online

Fonte: R7
Publicado em: 2016-04-25T12:51:00-03:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário