6 de out de 2016

Impressões do novo Mercedes-Benz AMG C43 4Matic Coupé

Impressões do novo Mercedes-Benz AMG C43 4Matic Coupé

A preparadora AMG tem uma função cada vez mais estratégica para a Mercedes-Benz. Pode tanto desenvolver um carro completo, como aconteceu com o AMG-GT, quanto acrescentar exclusividade aos modelos normais de linha. Neste ano, a marca alemã decidiu explorar uma nova vertente e criar versões esportivas mais acessíveis – coisa semelhante à linha S da Audi, intermediária entre as versões normais e a RS. As configurações AMG 43 começaram a chegar na virada deste ano, quando o cupê-conversível SLK foi rebatizado de SLC – já disponível no Brasil. Agora, desembarcam por aqui duas variantes esportivas para modelos da Classe C, o AMG C43 sedã e Coupé – este último exibe a nova configuração de carroceira com duas portas para esta geração. Eles desembarcam com preços bem diferentes, como costuma acontecer com as versões de duas e quatro portas da marca: R$ 350.900 para o sedã e R$ 397.900 para o Coupé.

Leia também:
  • Primeiras impressões do Mercedes-Benz GLE 400 4Matic cupê
  • Teste da Mercedes-Benz C200 Avantgarde
  • Teste do Mercedes-Benz E63 AMG
Apesar de salgado, o valor do AMG C43 Coupé fica bem mais em conta que o da versão mais “pura” da preparadora, a AMG C63 S, de R$ 615.900. Isso porque a “pureza” e o preço têm a ver com a forma como os modelos são construídos. Os motores da nova linhagem 43 – 3.0 V6 biturbo de 367 cv de potência e 53 kgfm de torque – são feitos em série, sem o acompanhamento e a assinatura de um engenheiro responsável. Esse é um dos paradigmas mais rígidos da AMG em seus outros três propulsores, todos biturbo: o 45, um 2.0 de quatro cilindros de 381 cv, o 63, um 4.0 V8 de 510 cv, e o 65, um 6.0 V12 de 630 cv. É claro que o modelo 43 também abre mão de alguns recursos interessantes. Caso dos coxins de motor ativos, que alteram o nível de vibração sentido pelo motorista/piloto, e também do câmbio automatizado de múltiplas embreagens, capaz de manter uma marcha engatada e as outras seis pré-engatadas.

Esta tática para baratear a produção, porém, não torna o C43 um esportivo de poucos recursos. Ele chega com o câmbio automático de 9 marchas retrabalhado para reduzir o tempo de resposta. A suspensão esportiva pneumática possui o sistema Ride Control, com três configurações de rigidez selecionáveis. O controle eletrônico de estabilidade também pode ser regulado em três níveis, tanto diretamente pelo motorista quanto automaticamente pelo sistema de seleção com cinco modos de condução: eco, comfort, sport, sport+ e individual. O sistema de freios foi reforçado, com discos maiores com ventilação interna e perfurados na frente. O painel de instrumentos é capaz de acompanhar detalhadamente o comportamento do modelo, com informações sobre a força G aplicada ao carro, medição em percentual de uso de acelerador e dos freios – como nos gráficos das transmissões de Fórmula 1 – e total de potência e torque gerados pelo propulsor em tempo real.

Tão importante quanto os recursos dinâmicos é o aparelhamento visual do esportivo. O C43 se diferencia de cara pela imponente grade do radiador com pinos cromados – semelhantes aos usados pelos Cadillac dos anos 1950. Os para-choque são mais bojudos e recebem frisos em preto brilhante nas entradas de ar inferiores. No traseiro, chamam a atenção as duas ponteiras duplas cromadas. As rodas de liga leve com 14 raios são de 19 polegadas e usam pneus 225/40 na frente e 245/35 na traseira. O acabamento interno também é bem caprichado, com bancos em couro pespontado, revestimento em fibra de vidro no console e diversos detalhes em alumínio e cromado.

A Mercedes espera que os modelos AMG repitam neste ano a performance comercial de 2015, quando 500 unidades foram emplacadas. Mas com a chegada dos modelos mais em conta da preparadora, a expectativa é que esses números subam em 2017. Afinal, na carroceria Coupé, também fica mais barato que o principal rival, o BMW M4 Coupé, que custa pouco mais de R$ 450 mil. Ou seja: a ideia de lançar mão de um motor de menor potência e de produção em série tem, de fato, boas chances de aumentar a base de clientes da marca.

Primeiras impressões

Entre o virtual e o real

Mogi-Guaçu/SP – Há um dilema objetivo quando uma marca apresenta um modelo de alto valor: é complicado disponibilizar muitas unidades sem arrombar o orçamento. Um jeito de amenizar o drama é utilizar um ambiente controlado, como uma pista de corrida – no caso, o Autódromo Velo Cittá –, que permite um contato rápido, mas um pouco mais intenso com o novo carro. No caso da apresentação do AMG C43 4Matic, havia apenas dois exemplares na versão Coupé e outros dois no sedã. Resultado: o trajeto consistiu em uma saída do boxe, uma passagem na reta e volta para o boxe. É o que se chama de 178, ou seja, uma volta e sete oitavos.
Na experiência, pode-se perceber a grande capacidade de enfrentar curvas, de frear e de acelerar do C43. Dá também para sentir que os bancos esportivos de abas bem pronunciadas realmente seguram o corpo nos trechos de maior aceleração lateral. As diversas informações oferecidas pelo conjunto de instrumentos aproximam a condução a um game e deixam tudo bastante lúdico. É possível também brincar com o sem-número de configurações de suspensão, motor, direção, câmbio e escapamento – que pode fazer mais ou menos barulho. No autódromo, de fato, o C43 está no seu elemento.
Mas difícil é prever como seria enfrentar o dia a dia, com buracos, valas e para-e-anda do trânsito. No caso da versão cupê, o acesso ao banco traseiro requer um certo contorcionismo, apesar da ajuda do banco elétrico que avança automaticamente para facilitar a manobra. De qualquer forma, o esportivo da Mercedes-AMG traz um nível de requinte e luxo que impressiona pelo bom gosto na combinação e nos materiais. O que justifica parcialmente o preço quase indecoroso pedido por ele.

Ficha técnica

Mercedes-AMG C43 Coupé 

Motor: Gasolina, dianteiro, longitudinal, 2.996 cm³, biturbo, seis cilindros em “V”, quatro válvulas por cilindro e comando duplo no cabeçote. Injeção direta. Acelerador eletrônico.
Transmissão: Câmbio automático de nove marchas à frente e uma a ré. Tração integral. Controle eletrônico de tração.
Potência máxima: 367 cv entre 5.500 rpm e 6 mil rpm.
Torque máximo: 53 kgfm entre 2 mil e 4.200 rpm.
Aceleração 0-100 km/h: 4,9 segundos.
Velocidade máxima: 250 km/h limitada eletronicamente.
Diâmetro e curso: 88,0 mm x 82,1 mm.
Taxa de compressão: 10,7:1.
Suspensão: Pneumática com sistema Ride Control, com três configurações de rigidez. Controle eletrônico de estabilidade. 
Pneus: 225/40 R19 à frente e 245/35 R19 atrás.
Freios: Discos ventilados na frente e atrás. Oferece ABS com EBD e assistente de frenagem de emergência.
Carroceria: cupê com duas portas e quatro lugares. Com 4,70 metros de comprimento, 2,02 m de largura, 1,43 m de altura e 2,84 m de entre-eixos. 
Tanque de combustível: 66 litros.
Porta-malas: 480 litros.
Peso: 1.690 kg.
Preço: R$ 397.900.

Autor: Eduardo Rocha (Auto Press)
Fotos: Eduardo Rocha/CZN

Esportivos em série - Mercedes apresenta versão AMG C43 e estreia no Brasil a configuração Coupé

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes
Publicado em: 06 Oct 2016 07:40:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário