19 de out de 2016

Ford Fiesta Titanium Plus 1.0 Ecoboost

Ford Fiesta Titanium Plus 1.0 Ecoboost

Criar uma frota de veículos mais sustentável é, cada vez mais, uma necessidade para as marcas automotivas. Seja para se adequar a padrões instaurados pela legislação ou para se posicionar como uma empresa preocupada com o meio ambiente. A Ford já vendia no exterior versões do hatch Fiesta com motor 1.0 turbo, capaz de entregar menos consumo de combustível e desempenho superior ao dos propulsores 1.6 ou até 1.8. E há cerca de três meses passou a importar para o Brasil o mesmo trem de força, que equipa hoje a configuração topo de linha do modelo, a Titanium Plus 1.0 Ecoboost. Novas variantes mais baratas ainda estão nos planos – o InMetro já aferiu unidades de versões SEL e SE do compacto, com essa motorização. Mas, por enquanto, quem quer economizar nos postos de gasolina e usufruir da ficha técnica ostensiva do propulsor Ecoboost precisa desembolsar nada menos que R$ 71.990 para isso.

Leia também:
  • Impressões do Ford Fiesta 1.0 Ecoboost
O preço – elevado para um hatch compacto 1.0 – é justificado pela Ford pelos atributos da versão. O carro é o mais potente da era turbo nessa categoria de veículo, que começa a crescer no Brasil: são 125 cv e 17,3 kgfm de torque. Volkswagen Up com motor TSI e o Hyundai HB10 1.0 turbinado rendem 105 cv de potência, com torque de 16,8 kgfm e 15 kgfm, respectivamente. O Fiesta é ainda o único com esse tipo de propulsor que dispensa o pedal de embreagem, já que, por enquanto, só sai de fábrica com transmissão automatizada de seis velocidades e dupla embreagem. A título de comparação, o Fiesta 1.0 é 2,5 segundos mais rápido no zero a 100 km/h em relação ao mesmo modelo movido pelo propulsor 1.6 de 128 cv e 15,8 kgfm.

O motor trazido da Romênia tem três cilindros, 12 válvulas, bloco em ferro fundido e cabeçote e cárter em alumínio, comando com abertura variável na admissão e no escape, injeção direta de combustível, coletor de escape integrado ao bloco e turbo com intercooler que trabalha com até 1,5 bar de pressão. Ele traz bomba de óleo variável, que modula a pressão dos jatos de óleo que resfriam os pistões, e correia dentada interna de material elastômero, que resiste ao contato com óleo.

Além dos números de desempenho, a lista de itens de série do Fiesta turbinado foi criada para ser um chamariz no segmento. São sete airbags – incluindo os frontais, laterais, de cabeça e de joelhos para motorista –, sistema de partida sem a chave, que tem sensor de presença, e revestimento dos bancos em couro. As rodas de liga leve têm 16 polegadas e há ainda sensor de chuva, acendimento automático dos faróis, espelho retrovisor eletrocrômico, piloto automático, ar-condicionado digital e central multimídia com comandos de voz e assistência de emergência. A Ford imagina que isso baste para estimular o público brasileiro a pagar mais de R$ 70 mil por um hatch compacto com motor 1.0 – apesar de ser um 1.0, para usar um termo que o marketing automotivo aprecia, “diferenciado”.

Ponto a ponto

Desempenho – O motor 1.0 turbinado tem uma ficha técnica que impressiona: são ostensivos 125 cv de potência e 17,3 kgfm de torque – este último já disponível plenamente em baixas 1.400 rpm. Com isso, arrancadas, retomadas e ultrapassagens são feitas com extremo vigor, se comparado aos rivais com propulsores do mesmo tamanho. Só o câmbio automatizado de dupla embreagem que parece mais preocupado com a eficiência energética do que com o desempenho, já que derruba demais os giros entre uma troca e outra. Nota 9Estabilidade – O Fiesta Titanium Plus 1.0 Ecoboost se sai bem nas curvas. A suspensão é bem ajustada e, mesmo em velocidades mais altas, passa a sensação ao condutor de estar com o carro sempre à mão. Há ainda aparatos eletrônicos para ampliar a segurança, como controle de estabilidade e tração. Nota 9. Interatividade – Todos os comandos do Fiesta mais esportivo são de fácil manuseio e bem localizados. A chave presencial é um diferencial nesse segmento, mas o sistema Sync presente no modelo tem uma tela pequena e que não é touch screen. Para trocas de marchas manuais, é preciso recorrer a botões na própria alavanca, o que já desestimula qualquer um a tentar manter o controle absoluto sobre o câmbio. Nota 7.

Consumo – O InMetro testou a versão turbinada 1.0 do Fiesta e aferiu médias de 12,2/15,3 km/litro de gasolina – é o único combustível que ele aceita. Este resultado proporcionou nota A na categoria e no geral, com consumo energético de 1,61 MJ/km. Nota 9Conforto – Apesar de se posicionar em um patamar premium do segmento, o Fiesta é um compacto. E isso se traduz no seu espaço interno. Os bancos possuem boa densidade, mas por serem bem robustos acabam por diminuir a área disponível para os ocupantes de trás. Quatro pessoas de estatura mediana viajam bem, mas não há folgas. Nota 7.    Tecnologia – O Fiesta Titanium Plus 1.0 Ecoboost traz um motor moderno e com turbocompressor, câmbio automatizado sequencial de seis marchas, sete airbags, controle de estabilidade e tração, chave presencial, rodas de liga leve aro 16 e diversas outras bossas tecnológicas. A central multimídia é um tanto limitada – a tela é diminuta e não é touch screen. A atual geração do modelo foi apresentada em 2007, lançada em 2008 e chegou ao Brasil em 2010. Nota 8.

Habitabilidade – Não há muitos porta-objetos, mas, os poucos existentes estão bem localizados e atendem razoavelmente à necessidade dos passageiros. A visibilidade é boa na dianteira, mas atrás fica um tanto prejudicada pelo vidro traseiro reduzido. O porta-malas carrega razoáveis 281 litros. Nota 7. Acabamento – Apesar da faixa de preço em que atua, o Ford Fiesta Titanium Plus 1.0 Ecoboost não impressiona nesse quesito. Há plásticos por toda a parte, embora os materiais aparentem ser de boa qualidade e não haja qualquer rebarba aparente. As linhas interiores são charmosas, mas esse não é o forte do modelo. Há compactos mais baratos e que se destacam mais nessa categoria. Nota 6.   Design – Apesar de não se tratar de um projeto novo, o desenho do Fiesta ainda agrada. Para exercer a função de versão de topo da linha no Brasil, a configuração Titanium Plus 1.0 Ecoboost prioriza a discrição e, consequentemente, insere certa elegância ao modelo. A exceção da logo “Ecoboost” na traseira, não há outro sinal que denuncie se tratar da variante 1.0 turbinada no exterior. Nota 8.
Custo/benefício – A Ford cobra R$ 71.990 pelo Fiesta Titanium Plus 1.0 Ecoboost. Entre os modelos vendidos no Brasil pelas fabricantes generalistas com propulsor 1.0 turbo, ele é o único que traz trocas automáticas de marchas. Sua ficha técnica de credenciais elevadas faz com que o modelo se torne até mais cara que versões de topo de outros compactos sem o pedal da embreagem e com motorização maior, mas seu auxílio de turbocompressor. Um Volkswagen Fox Highline com tudo que tem direito – até teto solar e câmbio automatizado – e motor 1.6 de 120 cv custa R$ 70.963, enquanto um Hyundai HB20 Premium com BlueMedia e banco de couro sai a R$ 66.745 com transmissão automática. Nota 5Total – O Ford Fiesta Titanium Plus 1.0 Ecoboost somou 75 pontos de 100.

Impressões ao dirigir

Além da aparência

Basta olhar os dados de potência e torque do Ford Fiesta Titanium Plus 1.0 Ecoboost para perceber a esportividade potencial da versão. Mas, esteticamente, o que chama atenção mesmo é a total discrição adotada pela marca. Nada de faixas decorativas, elementos em vermelho ou visual “apimentado”. O que se vê é uma preocupação em dar à configuração uma elegância típica de topo de linha, mas sem exageros.
Em movimento, o motor 1.0 Ecoboost – que é importado da Romênia – embala o Fiesta com bastante facilidade. Basta pisar com vontade o pedal do acelerador para que o hatch ganhe velocidade rapidamente. As arrancadas são eficientes e sua desenvoltura na cidade impressiona. Principalmente porque o torque máximo, de 17,3 kgfm, fica disponível já em baixas 1.400 rpm e se mantém intacto até os 4.500 giros. Na prática, isso significa vigor pleno sem precisar “esgoelar o propulsor” ou esperar uma reação do modelo.
A suspensão é macia o suficiente para garantir o conforto interno, mas não compromete em nada a segurança. Mesmo em alta velocidade e curvas mais fechadas, as rolagens de carroceria são controladas e o Fiesta Titanium Plus 1.0 Ecoboost se mantém equilibrado. Além disso, o carro é equipado com aparatos tecnológicos capazes de ajudar ao se transpor alguns limites, como o controle de estabilidade e de tração. E não é à toa: o Fiesta turbinado instiga realmente um comportamento mais agressivo de seu condutor. E é capaz de garantir bons momentos de diversão.

Ficha técnica

Ford Fiesta Titanium Plus 1.0 Ecoboost

Motor: Gasolina, dianteiro, transversal, 999 cm³, três cilindros, quatro válvulas por cilindro, comando duplo variável no cabeçote com turbo-compressor com intercooler. Injeção direta de combustível.
Potência máxima: 125 cv a 6 mil rpm.
Torque máximo: 17,3 kgfm entre 1.400 e 4.500 rpm.
Aceleração zero a 100 km/h: 9,6 segundos.
Velocidade máxima: 195 km/h.
Transmissão: Automatizado de dupla embreagem com seis marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira. Controle eletrônico de tração. 
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson. Traseira com eixo de torção autoestabilizante. Controle eletrônico de estabilidade.
Carroceria: Hatch em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 3,96 metros de comprimento, 1,97 m de largura, 1,46 m de altura e 2,48 m de distância entre-eixos. Airbags frontais, laterais, de cabeça e de joelho para o motorista. 
Freios: Discos ventilados na frente e a tambor atrás com ABS e assistente de partida em rampa.
Pneus: 195/50 R16.
Capacidade porta-malas: 281 litros.
Capacidade tanque de combustível: 51,9 litros.
Produção: São Bernardo do Campo/SP. 
Itens de série: Abertura elétrica da tampa do combustível, acendimento automático das luzes de emergência após freada brusca, alarme antifurto, faróis de neblina, freios ABS com EBD, brake-light, retrovisores externos com ajuste elétrico e indicador de direção, vidros, travas e direção elétricos. Ajuste de altura e profundidade do volante, ar-condicionado automático e digital, banco traseiro rebatível 60/40, sistema multimídia Sync 3 com rádio AM e FM, CD player e MP3, entrada USB e auxiliar, Blueetooth, comando de voz com função de telefone, AppLink, tela LCD multifuncional no painel central de 3,5 polegadas, controles de áudio no volante, revestimento em couro, sensores de luz e chuva, sensor de obstáculos dianteiro e traseiro.
Preço: R$ 71.990.

Autor: Márcio Maio (Auto Press)
Fotos: Isabel Almeida/CZN

Economia relativa - Ford Fiesta Titanium Plus 1.0 Ecoboost custa caro mas consome pouco

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes
Publicado em: 19 Oct 2016 13:00:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário