17 de dez de 2015

Teste do Subaru Forester XT Turbo

Teste do Subaru Forester XT Turbo

O atual cenário do mercado automotivo brasileiro apresenta suas peculiaridades. A crise no setor arrasou com as marcas generalistas, mas pouco afeta as marcas premium. Enquanto isso, a Subaru, que não se encaixa em nenhum desses dois grupos, vivencia bons momentos. De janeiro a outubro deste ano, a marca japonesa registrou 1.341 unidades vendidas, mais que o ano passado inteiro – 1.126 comercializações. Grande parte desse crescimento deve-se ao utilitário esportivo Forester. Nos dez primeiros meses deste ano o modelo registrou 974 emplacamentos, um crescimento de 30% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foi responsável por 741 vendas da empresa nipônica. E é de olho na demanda cada vez maior de utilitários do mercado brasileiro que a Subaru busca continuar crescendo – e aposta na variante XT Turbo como o ponto forte do modelo.

Veja também:
  • Subaru Forester 2.0 XT Turbo chega ao Brasil
Um dos destaques do SUV está sob o capô. O Forester XT turbo carrega um propulsor boxer de quatro cilindros contrapostos dois a dois. Tal mecanismo permite um centro de gravidade mais baixo. Os pistões se movimentam para lados opostos ao movimento da carroceria do veículo, numa espécie de contrapeso para proporcionar maior estabilidade. O motor de 2.0 litros é turboalimentado e capaz de render 240 cv de potência a 5.600 rpm e 35,7 kgfm de torque a 3.600 rpm. A força gerada pelo bloco é distribuída pelo sistema de tração integral Symetrical All Wheel Drive. A engenharia permite detectar a perda de aderência em alguma roda e assim, corrigir de maneira instantânea e automática, ao enviar a força do motor para as rodas com melhor tração. A transmissão do modelo é batizada de Lineartronic – câmbio CVT que simula até oito trocas de marchas. O utilitário possui três modos de condução: Inteligente, que pode ser considerado o modo normal, e os modos Sport e Sport Sharp. Nesses dois últimos, o comportamento do carro fica mais “afiado” e o câmbio simula até seis marchas, com as trocas sendo feitas através de aletas no volante. Há também sistema X-Mode, que altera as respostas do motor e do sistema de tração integral para otimizar o desempenho em pistas irregulares e escorregadias – foco voltado para o off-road.  O design do veículo segue a identidade visual da marca. Na parte frontal aparece o conjunto ótico com faróis de xênon e luzes diurnas de leds. O para-choque robusto agrega as luzes de neblina e possui tomadas de ar nos cantos. A grade no formato colmeia possui os contornos cromados e ao centro aparece a logo da marca. Na lateral, o destaque fica por conta das rodas de liga leve aro 18 com pigmentação brilhante e os fortes vincos com linhas fluídas. Na traseira, o para-choque é “parrudo” e incorpora as duas saídas de escape, uma em cada canto.

Dentro do habitáculo do SUV japonês, os bancos, portas, manopla de câmbio e volante multifuncional são revestidos em couro. Há diversos elementos cromados na cabine, como as molduras dos botões, saídas de ventilação, maçanetas e pedaleiras. Ao centro do painel encontra-se a tela da central multimídia sensível ao toque de sete polegadas com funções de áudio, telefonia, Bluetooth, pareamento com smartphones e câmara de ré. Acima, sobre o painel, existe outra pequena tela que exibe as funções do computador de bordo e dados relacionados ao sistema de tração integral. O quadro de instrumentos é formado por dois mostradores analógicos que exibem o velocímetro e o conta-giros. Entre eles existe uma tela colorida de LCD onde o condutor visualiza nível do tanque de combustível, indicador de marcha selecionada, velocidade e odômetro parcial e total.  Para dar sentido ao valor de R$ 144.900 cobrado pela Subaru, o modelo fornece boa lista de itens de série. O carro sai de fábrica equipado com airbags frontais, laterais e de cortina, ar-condicionado de duas zonas, banco do motorista com regulagem elétrica, teto solar panorâmico, vidros com proteção a raios UV, som premium com oito alto-falantes Harman Kardon, freios ABS com EBD, assistente de partida em rampas e declives, controles eletrônicos de estabilidade e tração, controle de cruzeiro e partida por botão.

Ponto a ponto

Desempenho – O motor turbinado de 2.0 litros com 240 cv de potência e 35,7 kgfm de torque impulsiona de maneira satisfatória o utilitário esportivo. Se o condutor optar por uma viagem tranquila, o motor trabalha em baixas rotações e o carro desfila de maneira linear. Caso o motorista opte por um desempenho mais esportivo, basta pisar um pouco mais forte no acelerador que o carro responde rapidamente e desenvolve velocidade sem fazer muito esforço. Nota 9. Estabilidade – Embora seja alto, comprido e pesado, o Forester XT Turbo em nenhum momento passa a sensação de insegurança. A carroceria rígida e as rodas aro 18 calçadas por pneus 225/55 auxiliam bastante em curvas. Tanto em retas quanto em curvas o modelo se mostra bem dinâmico e sempre passa a sensação de estar “na mão”. Controles eletrônicos de estabilidade e tração e o sistema de tração Symetrical AWD reforçam ainda mais a segurança neste quesito. Nota 10. Interatividade – O ajuste elétrico do banco e as regulagens de altura e profundidade do volante permitem logo achar a melhor posição de dirigir. O volante multifuncional possui boa pegada e os comandos nele existentes fazem com que o condutor realize a maioria das funções sem desviar o olhar da via. A pequena tela sobre o painel exibe informações do computador de bordo e se mostra bem útil. O câmbio CVT realiza a troca de marchas no tempo certo e sem “trancos”. Os retrovisores externos grandes e a altura do veículo favorecem a visibilidade. Nota 8.

Consumo – O modelo apresentou nota C no comparativo de sua categoria e no geral, após registrar média de 9,2/12,8 km/litro em trecho urbano e rodoviário, respectivamente, pelo programa de Etiquetagem Veicular do Inmetro. Não é exatamente econômico. Nota 6. Conforto – Um dos pontos fortes do modelo. Os bancos revestidos em couro são macios e possuem boa densidade. Passageiros da frente dispõem de bom espaço para cabeça, joelhos e pernas, assim como os traseiros. Um quinto elemento viaja tranquilamente sem incomodar os demais. A suspensão é macia e filtra bem as imperfeições das vias brasileiras. O isolamento acústico se mostra bem eficiente, porém, ao pisar de forma mais agressiva no acelerador, a troca de marchas faz com que o motor passe a trabalhar com giros mais altos, e o som emitido pelo propulsor começa a invadir a cabine a partir dos 3.500 rpm. Ar-condicionado de duas zonas oferece boa refrigeração para todos os ocupantes. Nota 8. Tecnologia – O Subaru Forester XT Turbo é bem equipado. No campo do conforto, o carro sai de fábrica com ar-condicionado digital de duas zonas, bancos de couro, teto solar elétrico, sistema de som premium assinado por Harman Kardon e partida do motor através de botão. Na área da segurança aparecem os airbags frontais, laterais e de cortina, câmara de ré, assistente de partida em rampas e aclives, controles eletrônicos de estabilidade e tração. Ao centro do painel encontra-se a tela central multimídia de 7 polegadas touch screen. O propulsor boxer de cilindros contrapostos proporciona baixo centro de gravidade e possui bloco e cabeçotes em alumínio. Nota 8.

Habitabilidade – o SUV japonês possui as portas bem largas com bom ângulo de abertura, o que facilita o entrar e sair. Há diversos porta-trecos ao longo da cabine que atendem mais que o necessário da demanda cotidiana para ocupantes dianteiros e traseiros. A segunda fileira de bancos pode ser rebatida facilmente através de um botão e o teto solar amplia a sensação de espaço interno. A capacidade do porta-malas varia entre 505 litros e 1.541 litros com o rebatimento dos bancos traseiros. Nota 9. Acabamento – No interior do Subaru Forester XT Turbo predomina a sobriedade. O desenho da cabine é simples, e embora os materiais não sejam luxuosos, aparentam boa qualidade. Os plásticos são agradáveis ao toque e demonstram bom encaixe. Molduras cromadas nas saídas de ventilação e botões e as pedaleiras também cromadas dão um pequeno ar de sofisticação. Portas, bancos, volante e manopla de câmbio são revestidos em couro. Nota 7. Design – O modelo não é dos mais atraentes do mercado, mas tem lá seu charme. Suas proporções transmitem presença e o deixam imponente – 4,59 metros de comprimento, 1,79 m de largura, 1,73 m de altura. A frente é ligeiramente agressiva com para-choques encorpados com entradas de ar e ganha certa dose de modernidade com o conjunto ótico com luzes de leds. Na lateral as rodas de liga leve brilhantes aro 18 e a dupla saída de escape na traseira lhe fornecem ar de esportividade. Nota 6.
Custo/Benefício – A Subaru cobra R$ 144.900 pelo Forester XT Turbo. O Mitsubishi Outlander GT equipado com tração nas quatro rodas e motor 2.0 litros de 240 cv transmissão CVT não sai por menos de R$ 148.990 e pode chegar a R$ 158.990 com o pacote de opcionais Full Technology Pack. O Honda CR-V importado em versão única com motor flex 2.0 litros de 155 cv e tração AWD custa R$ 136.900. A Volkswagen cobra R$ 175.800 pelo Tiguan equipado por completo com propulsor turbinado de 200 cv e tração integral. O Toyota RAV4 com lista de acessórios semelhantes e motor 2.5 litros a gasolina de 179 cv chega a R$ 152.400. Nota 8Total – O Subaru Forester XT Turbo somou 79 pontos de 100 possíveis.

Impressões ao dirigir

O primeiro olhar em relação ao Subaru Forester XT Turbo não causa grandes admirações. O modelo é simples em seu design, mas não faz feio. O interior também é discreto. Porém, o espaço interno e conforto se sobressaem de uma maneira que recompensa o restante. A ampla visibilidade gerada pelos vidros dianteiro e laterais enormes também faz com que aos poucos as impressões externas sejam deixadas de lado.  Ao acionar o botão start, o motor do utilitário começa a dar o ar da sua graça. No modo de condução normal, o carro se comporta de maneira linear. A suavidade com que desenvolve velocidade é bem satisfatória, e caso o condutor precise realizar alguma ultrapassagem e pisar mais fundo no acelerador, o câmbio CVT apresenta boa resposta. Parte da facilidade em pegar embalo do carro está no turbo, que proporciona boas arrancadas mesmo em rotações mais baixas.
O rodar do veículo é silencioso e suave. O conforto se torna uma das principais qualidades do modelo e a boa altura em relação ao solo – 22,5 centímetros – faz com que o Forester XT Turbo passe por lombadas, buracos e até mesmo em trechos não pavimentados tranquilamente. A suspensão é bem macia e o comportamento do SUV tanto em retas quanto em curvas se mostra eficiente. A sensação do carro estar “na mão” predomina o tempo inteiro.   Ao tocar a alavanca de câmbio para esquerda e pôr no modo manual, o câmbio Lineartronic também mostra seu talento. As marchas só podem ser manipuladas através das aletas no volante. Os modos de pilotagem Sport e Sport Sharp podem ser acionados através de um botão no volante. Nestes modos, o motor trabalha em rotações mais elevadas para proporcionar maior desempenho ao modelo. O SUV ganha ainda mais vigor e mostra seu lado “apimentado”. Embora seja um utilitário, o desempenho chega a animar como se fosse um esportivo. Poucas rolagens da carroceria e firmeza na condução tornam ainda mais prazeroso um passeio com o modelo.  O Subaru Forester XT Turbo mostra-se versátil e dinâmico, com doses de conforto e esportividade.

Ficha técnica

Subaru Forester XT Turbo

Motor: Gasolina, dianteiro, longitudinal, 1.998 cm³, boxer com quatro cilindros, turbocompressor, duplo comando variável no cabeçote, quatro válvulas por cilindro, injeção direta.
Transmissão: Câmbio automático do tipo CVT com simulação de oito velocidades à frente e uma à ré. Tração integral. Controle eletrônico de tração.
Potência máxima: 240 cv a 5.600 rpm.
Torque máximo: 35,7 kgfm a 3.600 rpm.
Diâmetro e curso: 86 mm x 86 mm.
Taxa de compressão: 10,6:1
Aceleração de zero a 100 km/h: Estimado em 7,5 segundos. 
Velocidade máxima: Não divulgado.
Suspensão: Independente nas quatro rodas. Dianteira do tipo McPherson. Traseira com braços oscilantes. Oferece controle de estabilidade.
Freios: Freio a disco nas quatro rodas. Discos ventilados na frente e sólidos atrás. Oferece ABS com EBD.
Carroceria: Utilitário esportivo em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 4,59 metros de comprimento, 1,79 m de largura, 1,73 m de altura e 2,64 m de distância entre-eixos.
Pneus: 225/55 R18.
Peso: 1.502 kg.
Capacidade do porta-malas: 505 litros, podendo chegar a 1.541 litros com o rebatimento dos bancos.
Tanque de combustível: 60 litros.
Itens de série: abertura das portas por comando elétrico, coluna de direção com ajuste de altura e profundidade, revestimento dos assentos, volante e manopla de câmbio em couro, body kit exterior esportivo, espelhos retrovisores com luzes indicadores de direção, faróis de neblina dianteiros, rodas de liga leve aro 18, suspensão autonivelante, airbags dianteiros, laterais e de cortina, assistente de partida em rampas e aclives, controles eletrônicos de estabilidade e tração, freios ABS com EBD, acendimento automático dos faróis, ar-condicionado digital de duas zonas, câmara de ré, computador de bordo com tela de alta definição com função ECO, controle de velocidade de cruzeiro, faróis de xênon com assinatura em leds, porta-malas com abertura elétrica, sistema de travamento e abertura das portas e partida do motor sem uso de chave, sistema de som com oito alto-falantes Harman Kardon, teto solar elétrico panorâmico, paddle-shifetrs para troca de marchas, volante multifuncional e controle de velocidade de cruzeiro.
Preço: R$ 144.900.

Autor: Raffaele Grosso (Auto Press)
Fotos: Isabel Almeida/Carta Z Notícias

A dinâmica do equilíbrio - Subaru Forester XT Turbo aposta no conjunto mecânico e estrutural para seguir em alta no Brasil

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes
Publicado em: 16 Dec 2015 13:32:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário