10 de jun de 2015

Teste do Nissan Versa Unique

Teste do Nissan Versa Unique

A Nissan já deixou claro que quer aumentar sua participação no mercado automotivo brasileiro. Com atuais 2,3%, a marca japonesa pretende mais que dobrar sua fatia e abocanhar 5% do total de unidades emplacadas no país até março de 2017. Uma estratégia que depende de apostar em produtos com bom volume de vendas. Caso dos sedãs compactos, como o recém-reestilizado Versa. Agora nacional – é fabricado em Resende, no interior do Rio de Janeiro –, o modelo tem mais opções de versões que podem ajudar a incrementar suas vendas, como a de topo Unique. A configuração une qualidades já consagradas do sedã, como o bom espaço interno, com elementos normalmente encontrados em modelos maiores, como câmara de ré, rodas aro 16, revestimento em couro e sistema multimídia completo.  Veja também:
  • Impressões do Nissan Versa 2015 “made in Brazil”
O Versa Unique é equipado com motor 1.6 de 111 cv, o mesmo utilizado nas configurações mais caras do hatch March. E a única opção de transmissão para completar o trem de força é manual de cinco velocidades. No México, de onde era importado antes de ser montada a linha de produção da Nissan no Brasil, já existem configurações automáticas. Mas, por aqui, não há previsão da adoção – o Sentra, sedã médio da marca, oferece o câmbio CVT aliado a um motor 2.0.

O Versa Unique foi projetado em função do próprio resultado de vendas do modelo que era importado do México. Antes, a versão mais emplacada era a mais cara, a SL. Por isso, a marca japonesa entendeu que inserir alguns itens extras de sofisticação poderia atrair um público ainda mais exigente. E, pelo menos por enquanto, parece que a ideia funcionou. O Versa “top” já responde por cerca de 35% das vendas do modelo no Brasil.  A diferença entre as duas configurações está exatamente no acabamento mais refinado, com cromados e painéis preto brilhante, e em equipamentos como ar-condicionado automático, além de rodas aro 16, sistema multimídia com interação com as redes sociais e GPS e câmara de ré. Detalhes que chegam a determinar uma diferença de mais de 10% de preço entre elas, já que a SL sai a R$ 49.490 e a Unique custa R$ 54.990.

Ponto a ponto

Desempenho – O motor 1.6 16V responde bem às pisadas no acelerador. Basta carregar um pouco mais fundo com o pé direito para o sedã entregar vigor e agilidade. O câmbio manual de cinco marchas tem engates precisos e trabalha em boa sintonia com o propulsor. O torque máximo, de 15,1 kgfm, aparece só em 4 mil giros. Mas boa parte dele já dá as caras em rotações menos elevadas, favorecendo as saídas e retomadas. Nota 8. Estabilidade – O Versa é um carro leve – são 1.088 kg na versão Unique, a mais pesada. Em velocidades em torno de 120 km/h, convém segurar com mais firmeza a direção. Mas, de maneira geral, o modelo apresenta um comportamento equilibrado. Os pneus 195/55 R16 da configuração de topo oferecem boa aderência e as rolagens de carroceria são incômodas, mas controladas. Nota 7.

Interatividade – O controle dos retrovisores elétricos fica escondido atrás do volante e os comandos do ar-condicionado digital são um tanto confusos, com um formato circular. Mas a direção elétrica é bem suave, o computador de bordo traz informações interessantes e a retrovisão é condizente com o segmento. Nota 7. Consumo – O Versa com motor 1.6 recebeu nota “A” tanto na sua categoria quanto na classificação geral do Programa Brasileiro de Etiquetagem do InMetro, com médias de 12,4/8,6 km/l em trajeto urbano e 14,8/10,2 km/l na estrada, com gasolina/etanol no tanque. Seu índice de consumo energético foi de 1,61 MJ/km, o que é excelente para um sedã. Nota 9.

Conforto – O Versa é um sedã compacto com espaço interno de modelo médio. Quatro pessoas viajam com bastante folga e um quinto elemento, em trajetos curtos, não interfere tanto. A suspensão absorve com alguma competência as irregularidades mas permite a rolagem da carroceria nas curvas, o que incomoda os ocupantes. O precário isolamento acústico rouba conforto interno e denuncia a categoria do modelo. Em rotações altas, o barulho do motor invade a cabine sem a menor cerimônia. Nota 7. Tecnologia – A plataforma V é a segunda geração da B-zero da Nissan, com carroceria reforçada, novos materiais no assoalho, painéis laterais e frontais e mais pontos de solda. O sedã, que já é produzido no Brasil, vem com ar-condicionado digital automático, sistema multimídia Nissan Connect com navegador e câmara de ré integrados e acesso às redes sociais na tela sensível ao toque de 5.8 polegadas. Mas não tem recursos mais sofisticados, como controles de tração e estabilidade. Nota 8.

Habitabilidade – O bom ângulo de abertura das portas faz com que seja bem fácil entrar e sair do carro. No interior, existem vãos suficientes para guardar objetos de uso pessoal. O porta-malas engole 460 litros e o excelente espaço interno é um dos pontos altos do carro. Nota 9. Acabamento – Há plástico rígido por todos os lados, como ocorre em boa parte dos sedãs compactos no Brasil. Apesar do uso de cromados e black piano, a cabine não transmite a ideia de requinte. Os encaixes são bem feitos e os materiais aparentam boa qualidade. Nota 7.
Design – As mudanças estéticas em relação ao Versa que era importado do México são pequenas. Falta uma personalidade mais atraente ao design. A frente e a traseira são aceitáveis mas o perfil causa estranheza, em função do caimento do teto e do contorno da área das janelas. Nota 7. Custo/benefício – O Nissan Versa 1.6 Unique custa R$ 54.990. É mais barato que modelos de fabricantes “medalhões”, como um Chevrolet Prisma 1.4 LTZ, que começa em R$ 56.790, ou a Fiat Gran Siena, que sai a R$ 55.282 com equipamentos equivalentes – mas sem sistema multimídia. Renault Logan Dynamique é bem mais em conta: sai a R$ 51.280 equipado de forma semelhante ao Nissan. Nota 7. Total – O Nissan Versa Unique somou 76 pontos em 100 possíveis.

Impressões ao dirigir

Por fora, o Nissan Versa proporciona uma reação um tanto atípica. Visto de perfil, pode agradar ou desagradar. Mas, ao ser analisado pela dianteira ou traseira, quase sempre o que se ouve é que se trata de um modelo sem personalidade e pouco ousado em seu design. Mas basta acessar o interior da versão Unique para perceber que ali, no habitáculo, as inovações em relação a outros sedãs compactos são grandes.  Detalhes em black piano no console e bancos revestidos em couro criam uma atmosfera um pouco mais refinada. O sistema multimídia que interage com redes sociais a partir de um smartphone conectado à internet, com GPS – bem fácil de usar – e câmara de ré é um dos melhores atualmente. O ar-condicionado é digital. São “mimos” normalmente vistos em modelos maiores e de faixa de preço superior. Assim como o impressionante espaço interno. Os ocupantes traseiros não ficam reféns dos passageiros da frente. No habitáculo, o único aspecto que desagrada é o isolamento acústico, bastante suscetível aos ruídos do motor.
O trem de força, 1.6 16V com câmbio manual de cinco velocidades, é mais uma vantagem do Versa. O motor de 111 cv tem força suficiente para mover com eficiência o carro. O torque máximo aparece em giros altos – 4 mil rpm – mas boa parte dele já fica disponível em rotações menores, o que facilita as retomadas e ultrapassagens. A suspensão tem a rigidez necessária para fazer bem curvas, mas não deixa de garantir o conforto dos passageiros ao suavizar os impactos causados pelos desníveis do solo. A carroceria rola um pouco e, de maneira geral, a sensação de segurança é constante no sedã compacto da Nissan.

Ficha técnica

Nissan Versa Unique

Motor: Gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.598 cm³, com quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro e comando variável de válvulas na admissão. Acelerador eletrônico e injeção eletrônica multiponto sequencial.
Transmissão: Câmbio manual de cinco marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira. Não oferece controle eletrônico de tração. 
Potência máxima: 111 cv a 5.600 rpm com etanol e gasolina.
Aceleração 0-100 km/h: 10,4 segundos (etanol).
Velocidade máxima: 187 km/h.
Torque máximo: 15,1 kgfm a 4 mil rpm com etanol e gasolina.
Diâmetro e curso: 78 mm X 83,6 mm.
Taxa de compressão: 10,7:1 (1.6).
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson com barra estabilizadora. Traseira por eixo de torção com barra estabilizadora e molas helicoidais.
Pneus: 195/55 R16.
Freios: Discos ventilados na frente e tambor atrás. Oferece ABS com EBD.
Carroceria: Sedã em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 4,45 metros de comprimento, 1,69 m de largura, 1,51 m de altura e 2,60 m de distância entre-eixos. Oferece airbags frontais de série.
Peso: 1.088 kg.
Capacidade do porta-malas: 460 litros.
Tanque de combustível: 41 litros.
Produção: Resende, Brasil.
Lançamento mundial: 2011.
Lançamento no Brasil: 2011.
Reestilização: 2015.
Itens de série: Ar-condicionado automático digital, banco do motorista com regulagem de altura, computador de bordo, conta-giros, direção elétrica progressiva, vidros, travas e retrovisores elétricos, volante com regulagem de altura, faróis de neblina, rodas de liga leve de 16 polegadas, airbag duplo, ABS, travamento automático das portas com veículo em movimento, abertura interna do porta-malas e do tanque de combustível, desembaçador traseiro, alarme, volante multifuncional, banco traseiro rebatível, acabamento em preto brilhante no painel, sistema de multimídia com tela colorida de 5,8 polegadas, entrada para MP3 Player/iPod, USB, GPS, interação com redes sociais, câmara de ré e revestimento em couro no volante, manopla do câmbio, bancos e portas.
Preço: R$ 54.990.

Autor: Márcio Maio (Auto Press)
Fotos: Isabel Almeida/Carta Z Notícias

Conta de chegada - Nissan Versa Unique usa recursos de modelos maiores para concorrer no segmento de sedãs compactos

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes
Publicado em: 10 Jun 2015 08:45:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário