22 de ago de 2016

Injeção eletrônica: para que serve?

Injeção eletrônica: para que serve?

A injeção eletrônica é o sistema que controla o ar e o combustível que entram no motor do carro ou qualquer veículo que se utilize desta tecnologia, podendo ser moto, ônibus e etc. Antes da injeção eletrônica, os carros possuíam carburadores, que faziam a mesma função, porém de maneira mecânica e mais agressiva ao meio ambiente, e era mais difícil de se detectar problemas nele.

Características da injeção eletrônica

Essa tecnologia permite que na hora de fazer o intermédio entre o combustível, ar e o motor, isso seja feito de forma menos poluente e que, por se tratar de um sistema eletrônico e possuir sensores, os defeitos possam ser localizados de forma mais rápida e eficiente.

Estes defeitos podem ser detectados com scanners desenvolvidos para estas finalidades.

Funcionamento

Para o carro andar é preciso que a mistura de ar e combustível, ao entrarem em atrito, causem uma faísca fazendo com que o automóvel funcione. A injeção tem o objetivo de controlar quanto desse ar e combustível entra nas válvulas do motor. Para isso, ela tem um microcomputador que se comunica com o motor, enquanto ele recebe informações como posição do acelerador, rotação e temperatura e pressão do motor, ele envia comandos de abre e fecha para válvulas que são responsáveis pela entrada de ar e combustível.

Motivo de criar a tecnologia

O motivo foi simplesmente o meio ambiente. Os antigos carburadores eram muito prejudiciais ao clima, por isso eles foram proibidos. Como toda tecnologia, ela foi aperfeiçoada conforme o tempo. Isso ocorreu basicamente por necessidades que surgiram no decorrer de seu uso. As primeiras injeções eram muito semelhantes aos antigos carburadores, e continuavam a poluir bastante. Conforme foram feitas algumas modificações, foi descoberto que ela poderia ser idealizada para que se gastasse menos combustível também.

Injeção monoponto

Ela foi o primeiro tipo de injeção, por possuir um injetor de combustível para atender quatro cilindros, ela se parecia muito com o carburador e não conseguia cumprir direto a função para a qual foi criada e acabou ficando ultrapassada.

Injeção multiponto

É a que se encontra nos veículos automotores de hoje, porém possui um injetor para cada cilindro facilitando o controle do combustível e fazendo com que o automóvel consuma menos.

Injeção direta

Ela é uma tecnologia cara e que é encontrada apenas em carros esportivos e muito modernos, isso por enquanto, pois é um sistema que trouxe mais precisão no controle de ar combustível. Alguns especialistas dizem que ele pode chegar a quase cem por cento. Ao invés de se colocar o combustível no cilindro, ele é injetado direto na câmara de combustão, local onde se cria a faísca, facilitando de forma quase perfeita o controle de consumo do automóvel.

Quando ela será acessível?

Não existe uma data certa para que isso ocorra, mas como se trata de uma ferramenta que teve um grande êxito, especialistas acreditam que, em breve, ela estará em carros mais populares. Porém este “breve” para nós pode ser um pouco demorado. Podem levar alguns anos para ela ser difundida, enquanto isso dirigimos nossos carros com injeção eletrônica que possui também nos trazem bom desempenho.
Para o carro andar é preciso que a mistura de ar e combustível. A injeção eletrônica é responsável por esse controle.

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Curiosidades
Publicado em: 22 Aug 2016 17:07:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário