31 de mar de 2016

Teste do Ford Focus Titanium Plus sedã

Teste do Ford Focus Titanium Plus sedã

A configuração sedã do Ford Focus nunca figurou entre os mais vendidos do segmento no país. Quando a terceira – e atual – geração foi lançada, em 2013, a pretensão era a de que o três volumes médio pulasse da sétima para a quarta posição. Hoje, segue como o sétimo da lista, mas expectativas frustradas não são exclusividade da marca norte-americana. Na verdade, a hegemonia nesta categoria há muitos anos fica entre os japoneses Toyota Corolla e Honda Civic, que ganharam no terceiro lugar a companhia do Nissan Sentra. Para se manter competitiva, a aposta da Ford tem sido a mesma em todas as categorias: recheio tecnológico. E isso se comprova facilmente na configuração de topo do sedã médio, a Titanium Plus. Além de um trem de força capaz de impressionar por seu desempenho esportivo, o carro entrega comodidades que não existem mesmo em concorrentes de fabricantes premium. E passou por um recente face-lift, lançado em agosto do ano passado.

Veja também:
  • Teste do Ford Focus Titanium Plus 2.0
As alterações visuais afetaram principalmente a dianteira, com a grade avantajada em forma de “boca”, e o perfil, com caimento levemente acentuado no teto, atrás. A marca até chama o modelo de Focus Fastback, em função do diminuto terceiro volume. As versões com a nomenclatura Titanium ganham ainda barras cromadas na grade frontal e rodas exclusivas. Com a reestilização do Focus sedã, a Ford unificou o design de seu portfólio de carros de passeio e reforçou o que parece ser um dos principais pilares de sua área de marketing: a imagem de conectividade. A central multimídia tem tela de oito polegadas e sensível ao toque, com navegador GPS incorporado. Além disso, há Bluetooth, comandos de voz em português para áudio, telefone, GPS e ar-condicionado, câmara de ré, sistema AppLink com novos aplicativos e assistência de emergência – quando há um telefone conectado via Bluetooth, ele liga sozinho para o serviço de atendimento médico de urgência em caso de acidentes com acionamento dos airbags ou corte de combustível. A chave é presencial, com acesso ao veículo e partida do motor a partir de botões.

O Ford Focus Titanium Plus sedã sai de fábrica com assistente de frenagem autônomo, que evita a colisão em velocidades até 20 km/h e reduz de forma significativa o impacto a até 50 km/h. Outro item exclusivo da assinatura “Plus” é o sistema de estacionamento automático de nova geração, que funciona em vagas paralelas e perpendiculares. A segurança na direção é ampliada também com os faróis bixênon adaptativos, que ajustam a iluminação de acordo com a direção que o carro recebe. A configuração de topo garante ainda teto solar para o sedã médio, sistema de som premium da Sony, sensor de estacionamento dianteiro, espelhos com rebatimento elétrico e banco do motorista com ajustes elétricos. E custa R$ 104.590, ou seja, R$ 9.300 a mais que a versão Titanium.

O motor é o mesmo há três anos. O que, na verdade, não é nenhum demérito. Trata-se de um 2.0 litros de 178/175 cv com etanol/gasolina no tanque que é sempre acompanhado pela transmissão automatizada de seis velocidades e dupla embreagem, com possibilidade de trocas sequenciais de marchas no volante. Com os 1.414 kg da versão, impressiona a excelente relação peso/potência de 7,9 kg/cv. 

Ponto a ponto

Desempenho – O motor 2.0 de 178 cv e 22,5 kgfm com etanol no tanque esbanja disposição e traz boa agilidade para o sedã médio. A transmissão automatizada de dupla embreagem e seis marchas explora bem a faixa de trabalho do propulsor. Há força de sobra para acelerações mais vigorosas em todos os giros, apesar do torque máximo aparecer somente em 4.500 rpm. Nota 9. Estabilidade – A sensação de segurança no três volumes é constante. A direção tem boa firmeza em velocidades elevadas e a suspensão trabalha de forma eficiente nas curvas. O carro se mantém no trajeto apontado sem grandes problemas. Além disso, todas as versões do Focus sedã têm controle eletrônico de tração, estabilidade e torque em curvas. Nota 9. Interatividade – O sedã Focus Titanium Plus se sai muito bem nesse quesito. A central multimídia é funcional e de utilização bem simples, com tela de 8 polegadas. O ar-condicionado é digital de duas zonas. Todos os comandos do carro estão bem situados. Os ajustes do banco do motorista são elétricos e até estacionar o carro vira uma “moleza” com o sistema semiautônomo, em que o condutor só precisa controlar o câmbio e o pedal do freio para que o carro entre na vaga. Nota 10.

Consumo – O InMetro testou a versão sedã do Ford Focus Titanium 2.0. O modelo registrou médias de 6,7/9,9 km/l na cidade e 8,5/12,4 km/l na estrada com etanol/gasolina no tanque. Esse resultado lhe conferiu classificação B no segmento e C no geral, com consumo energético de 2,03 mJ/km. Nota 7. Conforto – Os bancos dianteiros são espessos e a espuma tem ótima densidade, o que favorece os ocupantes da frente. Por outro lado, o espaço – que já não é tão farto assim para um sedã médio – fica prejudicado atrás. Dependendo do ajuste utilizado pelo motorista e seu carona, surgem apertos no assento traseiro. A suspensão filtra os desníveis do solo com eficiência e o isolamento acústico garante o mínimo de barulho no habitáculo. Nota 8. Tecnologia – A terceira geração do Focus está no meio de sua vida útil – foi lançada no fim de 2010 na Europa e nos Estados Unidos, mas apenas em 2013 chegou ao Brasil. A plataforma é moderna e dá suporte a versões elétricas e híbridas lá fora. A versão Titanium Plus 2.0 traz itens importantes de segurança como controles eletrônicos de estabilidade e tração e seis airbags. O câmbio automatizado de dupla embreagem é moderno, assim como o sistema multimídia. Nota 9.

Habitabilidade – Os nichos para objetos são bons e o porta-malas leva razoáveis 421 litros. O caimento do teto prejudica um pouco passageiros mais altos nos assentos traseiros e o espaço para pernas também não é dos melhores atrás. Nota 7. Acabamento – O interior mistura peças emborrachadas, plásticas e com revestimento em couro. É uma cabine bem sóbria, sem luxos. Não é feia ou com materiais que aparentem má qualidade, mas normalmente espera-se mais de um carro cujo preço ultrapassa seis dígitos. Nota 7. Design – O Focus sedã passou por um face-lift no ano passado, quando adotou a generosa grade em forma de “boca” que caracteriza a atual assinatura visual da Ford. Na versão de topo Titanium, suas barras são cromadas. Os faróis estão mais longos e afilados e, na versão mais cara, são compostos de leds com bi-xenônio adaptativos, que regulam o facho de luz de acordo com a direção e velocidade. O teto ganhou caimento mais acentuado na traseira e as lanternas foram “espichadas”. É um sedã charmoso. Nota 8.
Custo/benefício – A Ford cobra R$ 104.590 pelo sedã Focus Titanium Plus 2.0, mas ele é o mais tecnológico de sua categoria. O único mais caro é o Volkswagen Jetta Highline, com motor turbo 2.0 de 211 cv, que custa exorbitantes R$ 120.524 completo. O Toyota Corolla Altis 2.0 de 153 cv é R$ 102.990, uma diferença bem pequena. Todos os outros concorrentes se posicionam em valores cerca de 10% ou 15% menores. Para quem não faz questão de um recheio tecnológico tão farto, existem outras opções mais vantajosas. Nota 6. Total – O Ford Focus Titanium Plus 2.0 sedã somou 79 pontos em 100 possíveis.

Impressões ao dirigir

O Ford Focus Titanium Plus sedã chama atenção já pelo visual, que foi renovado recentemente. Por fora, o modelo mescla certa elegância e charme com o caimento levemente acentuado do teto na parte de trás e linhas e vincos que denotam sua capacidade esportiva. Além disso, o design transmite uma robustez que nem sempre é tão explícita em um sedã médio e não faltam comodidades para o motorista a bordo da versão de topo do três volumes.  A entrada é feita sem que seja necessário retirar a chave do bolso, através de um botão na porta que funciona a partir do sensor de proximidade. À primeira vista, o interior não reservas luxos. O acabamento é até bem simples para um carro de mais de R$ 100 mil, mas é o recheio tecnológico que faz a diferença no Ford Focus Titanium Plus. A começar pelo ajuste do banco dianteiro esquerdo, elétrico. O teto solar também é fruto do “Plus” do nome e a central multimídia, de oito polegadas, tem GPS e uso extremamente intuitivo.
Posto em movimento, o motor 2.0 de 178 cv se mostra dinamicamente bem interessante. Em qualquer faixa de giros, a sensação é de que há força suficiente para boas arrancadas, ultrapassagens e retomadas. E mesmo em altas velocidades e caminhos sinuosos, o três volumes consegue se manter facilmente na direção apontada. O que não quer dizer que a suspensão privilegie apenas a esportividade, já que consegue filtrar com certa eficiência os desníveis das ruas brasileiras. Outro detalhe digno de elogios é o bom isolamento acústico, que contribui para o conforto das viagens. A transmissão automatizada de seis velocidades e dupla embreagem se harmoniza bem com o propulsor, com trocas precisas e em momentos condizentes com os comandos que se passam através das pisadas ao acelerador. Há ainda a possibilidade de recorrer às mudanças manuais, realizadas a partir das aletas localizadas atrás do volante. Mas não se trata de um trem de força que instigue o condutor a querer ter total controle do veículo. O casamento entre o câmbio e o motor é tão equilibrado que parece besteira preferir se preocupar com uma função tão bem desempenhada automaticamente.
Um dos maiores trunfos desta versão mais cara é, sem dúvida, o sistema de estacionamento automático. O aparato chama atenção quando colocado em prática porque é possível encaixar o carro nas vagas praticamente sem usar as mãos. O motorista só precisa controlar o pedal do freio e selecionar a transmissão para que o carro se mova, sozinho, para frente ou para trás. Volante e acelerador são acionados sem que o motorista se mexa. Infelizmente, não é qualquer vaga que ele reconhece – depende do espaço disponível. Mas quebra um galho para quem não se garante tanto nessas manobras.

Ficha técnica

Ford Focus Titanium Plus sedã 

Motor: A gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.999 cm³, com quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro e duplo comando de válvulas variável. Acelerador eletrônico e injeção direta de combustível.
Transmissão: Câmbio automatizado de dupla embreagem com seis marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira. Oferece controle eletrônico de tração.
Potência máxima: 175 cv com gasolina e 178 cv com etanol a 6.500 rpm.
Torque máximo: 21,5 kgfm com gasolina e 22,5 kgfm  com etanol a 4.500 rpm.
Diâmetro e curso: 87,5 mm x 83,1 mm.
Taxa de compressão: 12,0:1.
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, com molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora. Traseira do tipo multilink, com molas helicoidais e amortecedores hidráulicos. Oferece controle eletrônico de estabilidade.
Pneus: 215/50 R17.
Freios: Discos na frente e atrás. Oferece ABS com EBD.
Carroceria: Sedã em monobloco, com quatro portas e cinco lugares. 4,54 metros de comprimento, 2,01 m de largura, 1,47 m de altura e 2,65 m de entre-eixos. Oferece airbags frontais, laterais e de cortina de série. 
Peso: 1.414 kg. 
Tanque de combustível: 55 litros.
Capacidade do porta-malas: 421 litros. 
Produção: General Pacheco, Argentina.
Itens de série: rodas de liga leve aro 17, controle de estabilidade, tração e curvas, assistente de partida em rampa, assistente preventivo antiderrapagem, monitoramento de pressão dos pneus, assistência de frenagem de emergência, freio a disco nas quatro rodas com ABS e EBD, faróis de neblina, acendimento automático dos faróis, espelho retrovisor eletrocrômico, sensor de chuva, chave programável MyKey, central multimídia com 8 polegadas, GPS e assistência de emergência, bancos revestidos em couro, sensor de estacionamento traseiro, controle de velocidade de cruzeiro, limitador de velocidade, ar-condicionado de duas zonas, seis airbags, chave com sensor de presença para acesso inteligente, tela multifuncional colorida de 4,2 polegadas no painel de instrumentos, Premium Sound Sony com nove alto-falantes, assistente de frenagem autônomo, faróis bi-xenon adaptativos, sistema de estacionamento automático em vagas paralelas e perpendiculares, sensor de estacionamento dianteiro, espelhos com rebatimento elétrico, banco do motorista com ajuste elétrico e teto solar. 
Preço: R$ 104.590.

Autor: Márcio Maio (Auto Press)
Fotos: Jorge Rodrigues Jorge/Carta Z Notícias

Sedução hi-tech - Bom “recheio” destaca Ford Focus Titanium Plus entre os sedãs médios do Brasil

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes
Publicado em: 30 Mar 2016 14:55:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário