9 de jun de 2016

Primeiras impressões do Fiat Mobi Way

Primeiras impressões do Fiat Mobi Way

A Fiat evita falar sobre as expectativas em relação ao posicionamento do Mobi no mercado automotivo. Mas é notório que as 2.407 unidades emplacadas em maio, o primeiro mês de vendas fechadas do modelo, não condizem com o que se esperava. Agora, no entanto, a marca italiana acredita ter um trunfo capaz de aumentar bastante essa aceitação do subcompacto no mercado: a linha aventureira Way, que engloba as variantes Way e Way On. Com a suspensão aprimorada – com direito até a barra estabilizadora na dianteira e amortecedores de maior curso, além dos 15 mm a mais de altura em relação ao solo – e sem a quantidade imensa de opcionais dos outros modelos de volume da fabricante, a intenção é de que essas duas configurações respondam por, pelo menos, 35% das vendas a partir de agora.

Veja também:
  • Fiat Mobi Way chega com grandes expectativas
As alterações estéticas deixam o subcompacto – são apenas 3,57 metros de comprimento, 1,63 m de largura, 1,55 m de altura e 2,30 m de distância entre-eixos – com um visual mais robusto. Entram barras longitudinais de teto, para-choques exclusivos, molduras nas caixas das rodas e, no caso da versão Way On, rodas de liga leve de 14 polegadas. No interior, as mudanças vão além. O Mobi Way já traz tecidos exclusivos nos bancos, mas a versão com a assinatura On ganha duas cores nos revestimentos e acabamento em preto brilhante no painel. A identificação Way aparece na tampa traseira, em adesivo.

A lista de itens de série é condizente com o segmento de hatches de entrada de hoje. Há ar-condicionado, direção hidráulica e vidros dianteiros e travas elétricas. Volante e banco do motorista com regulagem de altura e computador de bordo também fazem parte do pacote. O rádio com Bluetooth e volante multifuncional, opcional no Mobi Way, é de série no Way On. Esta variante, aliás, é a mais completa de todas e não tem qualquer opcional disponível. Em termos de segurança, porém, nada além dos obrigatórios airbags frontais e freios ABS. Mesmo assim, a marca garante que conseguirá ao menos três estrelas nos testes de colisão do Latin NCAP – já considerando os novos critérios adotados pela organização, ainda mais exigentes.

O preço, infelizmente, não segue a mesma lógica compacta das dimensões do Mobi. A versão Way começa em R$ 39.300, com pintura sólida, mas chega a R$ 41.400 com o sistema de som e alarme. Já a Way On tem valor fixado em R$ 43.800. A escolha por um tom metalizado adiciona R$ 1.250 à conta, em qualquer uma das situações. Na comparação com o principal concorrente, o Volkswagen Up Cross, a conta até é vantajosa, já que o carro da marca alemã parte de R$ 47.690. Mas a diferença no espaço interno, além das cinco estrelas conquistadas no próprio Latin NCAP, podem chamar mais atenção para alguns consumidores do que a diferença inferior a 10% entre o Mobi Way e o Up Cross.

Primeiras impressões

A Fiat quis provar, na prática, que o Mobi Way está, de fato, mais apto que seu principal concorrente, o Volkswagen Up Cross, a enfrentar estradas de terra. Para isso, promoveu um teste no interior de São Paulo, nos arredores de Campinas, que envolvia boa parte do percurso em trechos que enfatizassem as diferenças entre essa e as outras configurações do subcompacto.

Longe de se tratar de um carro aventureiro, o Mobi Way ao menos se mostrou bem mais preparado para enfrentar os desníveis típicos dos trechos de terra que suas outras versões. A suspensão dianteira é mais alta, com amortecedores de maior curso e barra estabilizadora. Em percursos com até um pouco de lama, em função da chuva, o subcompacto se mostrou correto e capaz de absorver bem as irregularidades do solo sem abdicar da firmeza. Uma característica que deve satisfazer, em ambiente urbano, quem trafega por vias com muitos buracos ou lombadas.
Na cidade, o motor 1.0 8V de 73/75 cv e torque de 9,5/9,9 kgfm com gasolina/etanol do Mobi tem um desempenho correto. O propulsor é antigo – e a Fiat jura que o modelo não receberá, tão cedo, o novo 1.0 tricilíndrico que será lançado em breve pela marca – e sua entrega é inferior à dos blocos mais modernos usados por outras fabricantes no mesmo segmento. Para que as respostas sejam mais coerentes, é preciso sempre elevar bem os giros. Até porque o torque máximo só aparece plenamente a 3.850 rpm. A barra estabilizadora da suspensão dianteira ajuda a controlar as rolagens de carroceria e a segurar o modelo diante de curvas acentuadas. Porém, é só abusar um pouquinho para perceber que a proposta do modelo, definitivamente, passa longe de qualquer impulso de esportividade.

Ficha técnica

Fiat Moby Way

Motor: Gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 999 cm³, quatro cilindros em linha, duas válvulas por cilindro. Injeção multiponto e acelerador eletrônico.
Transmissão: Manual de cinco marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira. Não oferece controle eletrônico de tração.
Potência: 73/75 cv com gasolina/etanol a 6.250 rpm.
Torque: 9,5/9,9 kgfm com gasolina/etanol a 3.850 rpm.
0-100 km/h: 13,8 segundos.
Diâmetro e curso: 70,0 mm X 64,9 mm.
Taxa de compressão: 12,15:1.
Velocidade máxima: 153 km/h.
Suspensão: Dianteira do tipo Mc Pherson com rodas independentes, braços oscilantes inferiores e barra estabilizadora, amortecedores hidráulicos e telescópicos de duplo efeito e mola helicoidal. Traseira com eixo de torção com rodas semi-independentes, amortecedores hidráulicos e telescópicos de duplo efeito e mola helicoidal. Não oferece controle eletrônico de estabilidade.
Pneus: 175/65 R14.
Freios: Discos sólidos na frente e tambores atrás. Freios ABS com EBD. 
Carroceria: Hatch em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 3,57 metros de comprimento, 1,63 m de largura, 1,50 m de altura (1,49 m na versão Easy e 1,55 m nas configurações Way e Way On) e 2,30 m de distância entre-eixos. Airbags frontais.
Peso: Entre 940 kg ou 966 kg (Way On).
Capacidade do porta-malas: 215 litros.
Tanque de combustível: 47 litros.
Produção: Betim, Brasil.

Itens de série e Preços 

Versão Way: ar-condicionado, direção hidráulica, volante com regulagem de altura, banco do motorista com regulagem de altura, vidros e travas elétricas, brake light, predisposição para rádio, computador de bordo, chave telecomando para abertura e fechamento das portas, limpador e desembaçador traseiro, cintos de segurança dianteiros ajustáveis em altura, espelho no para-sol para motorista e passageiro, rodas de aço de 14 polegadas com calotas, barras longitudinais de teto, molduras nas caixas das rodas e suspensões elevadas.
Preço: R$ 39.300.
Opcionais: Alarme antifurto, rádio integrado ao painel com RDS, entrada USB e auxiliar e Bluetooth com função Audio Streaming e volante multifuncional.
Preço completo: R$ 41.400. 
Versão Way On: itens da versão Way com todos os opcionais mais rodas de liga leve de 14 polegadas exclusivas, faróis de neblina, retrovisores elétricos com tilt-down e luzes de setas, sensores de estacionamento traseiros, painel com acabamento em preto brilhante, apoia pé, porta-óculos e alças de segurança no teto e console de teto com porta-objetos e espelho adicional.
Preço: R$ 43.800.
Autor: Márcio Maio (Auto Press)
Fotos: Márcio Maio/Carta Z Notícias e Divulgação/Fiat (interior)

Proposta multiuso - Fiat inicia vendas da versão Way do subcompacto Mobi, com suspensão elevada e reforçada

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes
Publicado em: 09 Jun 2016 07:01:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário