26 de nov de 2015

Primeiras impressões do Citroën Aircross 2016

Primeiras impressões do Citroën Aircross 2016

A Citroën já viveu dias mais gloriosos no Brasil. Nos últimos anos, a marca francesa tem perdido participação no mercado brasileiro. Esse ano, o "maket share" deve ficar em 1,3% - um terço do que tinha em seus "anos dourados" em território  nacional, na década passada. Em 2015, a previsão é emplacar perto de 30 mil veículos. Para tentar melhorar o panorama em 2016, a Citroën resolveu investir num dos raros segmentos de mercado que cresce no país - o dos SUVs compactos. A linha 2016 do Aircross, o compacto "aventureiro" desenvolvido a partir da plataforma do C3 Picasso, mereceu um profundo "facelift", além de atualizações mecânicas e novos equipamentos. Para incorpora a nova assinatura estética da marca, ganhou faróis mais afilados e linhas mais arredondadas, em um estilo que a marca chama de "squarcle" - uma mistura de "square" (quadrado) com "circle" (círculo). O design lembra o do crossover Cactus, recentemente lançado na Europa. Do lado de dentro, o design também é novo, igualmente inspirado no estilo "squarcle".

Veja também:
  • Reestilização do Citroën Aircross ganha teaser
São quatro versões do Aircross - Start, Live, Feel e Shine. As duas mais básicas, Start e Live, não têm o estepe pendurado na tampa do porta-malas. Elas substituirão o C3 Picasso, que deixa de ser vendido no Brasil. Na "top" Shine, o câmbio é sempre automático de quatro velocidades. Já nas versões Feel e Live, há opção com o câmbio automático ou com o manual de cinco marchas. E a básica Start vem sempre com o câmbio manual. Nas configurações Start e Live com câmbio manual, o Aircross vem com um motor 1.5 flex de 93 cv de potência e 14,27 kgfm de torque. As demais - as automáticas Live, Feel e Shine e a manual Feel -, são movidas pelo motor que a Citroën batizou de 120 Vti Flex Start, um 1.6 bicombustível de 122 cv e 16,41 kgfm.

Na versão básica Start, a direção elétrica e o ar-condicionado são de série, mas o modelo não traz sequer as barras longitudinais no teto, que compõem a "imagem SUV" do compacto. As luzes diurnas em leds, que marcam a identidade visual do Aircross, também não aparecem nessa versão. As rodas são de aço e e os pneus são 195/55 R16. O volante tem regulagem de altura e profundidade e os retrovisores externos tem controles elétricos. O computador de bordo é de série, mas o rádio AM/FM, além do bluetooth e entrada auxiliar, apenas como opcionais. Já a Live vem com as barras de teto longitudinais, luzes diurnas de leds, rodas de liga-leve e rádio AM/FM/Bluetooth/Entrada Auxiliar. Na versão automática, vem com paddle-shifts. Já a central multimídia com tela sensível ao toque é opcional.

Nas versões que ostentam o estepe na tampa da mala, a Feel acrescenta aos equipamentos disponíveis na Live o estepe com capa de proteção estilizada, rodas de liga leve com pneus de uso misto na medida 205/60 R16, faróis de neblina, alarme ultrassom e rádio RD6. Central multimídia com tela touch screen e detector de obstáculo traseiro são opcionais. E a "top" Shine, oferecida somente com motor 1.6 e câmbio automático, todos os equipamentos das versões anteriores estão disponíveis, mas o ar-condicionado é automático. A versão traz ainda volante em couro, bancos em tecido/couro, detector de obstáculo traseiro, câmera de ré, piloto automático, acionamento automático dos faróis, sensor de chuva e três apoios de cabeça traseiros. O navegador GPS é opcional.

O Aircross Start cumpre o papel mercadológico de ser a versão com preço "a partir de" da linha - parte de R$ 49.990, para ficar abaixo da "barreira psicológica" dos R$ 50 mil. Acima dele, com o mesmo motor 1.5 mas já com as barras no teto, luzes diurnas em leds e rodas de liga leve está a Live manual, que começa em R$ 53.990. Na configuração automática e com motor 1.6, o Live pula para R$ 58.990. É o mesmo preço da Feel com câmbio manual e o mesmo motor 1.6. Na versão automática, a Feel já sobe para R$ 63.990. E a topo de linha Shine atinge R$ 69.290 - abaixo de outra "barreira psicológica", a dor R$ 70 mil. Os modelos desembarcam ainda em novembro nas concessionárias da marca em todo o Brasil.

Primeiras impressões

Porto Real/RJ - O modelo versão avaliado no lançamento do Aircross foi um Live 1.5 manual. Essa versão não traz o estepe pendurado na mala, o que lhe confere elegância adicional e uma pitada de sobriedade, além de um preço mais competitivo - começa em R$ 53.990. Trata-se a versão mais barata que ostenta todos os ícones da identidade visual do Aircross, incluindo as barras longitudinais no teto e as luzes diurnas em leds. Ou seja, tem elementos para ser uma versão bem vendida. Ele percorreu um circuito de cerca de 100 km, da fábrica da PSA Peugeot Citroën em Porto Real, até a localidade serrana de Pedra Selada, em um trajeto que mesclou trechos asfaltados com trilhas leves.
O motor 1.5 flex de 93 cv de potência e 14,27 kgfm proporciona um desempenho comedido ao compacto de X kg, sem instigar maiores arroubos de esportividade. Para conseguir um desempenho um pouco mais vigoroso é necessário recorrer bastante ao câmbio manual - que tem bons engates. Motoristas que têm o pé direito mais nervoso devem pensar na possibilidade de optar pelo motor 1.6 Flex Start de 122 cv e 16,41 kgfm. A suspensão se comporta bastante bem, tanto no asfalto quanto nas trilhas. um aspecto dinâmico interessante é que, apesar de ser alto, o Aircross não aderna excessivamente nas curvas. E a altura elevada provoca uma percepção de espaço interno excepcional.

Ficha técnica

Citroën C3 Aircross

Motor 1.5: a gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.449 cm³, quatro cilindros em linha, comando simples no cabeçote, quatro válvulas por cilindro e comando variável de válvulas na admissão. Injeção eletrônica multiponto sequencial e acelerador eletrônico.
Motor 1.6: a gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.587 cm³, quatro cilindros em linha, comando simples no cabeçote, quatro válvulas por cilindro e comando variável de válvulas na admissão. Injeção eletrônica multiponto sequencial e acelerador eletrônico.
Transmissão: Câmbio manual de cinco marchas à frente e uma a ré ou câmbio automático de 4 velocidades com paddle shifts. Tração dianteira.
Potência máxima do motor 1.5: 89 cv e 93 cv com gasolina e etanol a 5.500 rpm.
Potência máxima do motor 1.6: 115 cv e 122 cv com gasolina e etanol, a 6 mil/5.800 rpm.
Torque máximo do motor 1.5: 13,5 kgfm e 14,2 kgfm com gasolina e etanol a 3 mil rpm.
Torque máximo do motor 1.6: 16,4 kgfm e 15,5 kgfm com gasolina e etanol a 4 mil rpm.
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, com molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora. Traseira com travessa deformável, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora. 
Pneus: 195/55 R16.
Freios: Discos ventilados na frente, tambores atrás e ABS com EBD de série.
Carroceria: Minivan em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 4,09 metros de comprimento (4,30 m nas versões Feel e Shine, com estepe externo), 1,76 m de largura, 1,69 m de altura e 2,54 m de distância.entre-eixos. Airbags frontais de série.
Peso: de 1.216 kg (Start) a 1.328 (Shine).
Capacidade do porta-malas: 403 litros (1.500 litros com os bancos traseiros rebatidos).
Tanque de combustível: 55 litros.
Produção: Porto Real, Rio de Janeiro.

Itens de série e Preços

Versão Start: Airbag duplo, ABS com EBD, travamento central das portas, banco do motorista com regulagem de altura, computador de bordo, direção elétrica, trio elétrico, ar-condicionado
Preço: R$ 49.990
Versão Live: acrescenta barras de teto longitudinais, luzes diurnas de leds, rodas de liga-leve e rádio AM/FM/Bluetooth/Entrada Auxiliar. Na versão automática, vem com paddle-shifts
Preço - Live manual: R$ 53.990
Preço - Live automática 1.6: R$ 58.990
Versão Feel: acrescenta o estepe com capa de proteção estilizada, rodas de liga leve com pneus de uso misto na medida 205/60 R16, faróis de neblina, alarme ultrassom e rádio RD6
Preço - Feel manual: R$ 58.990
Preço - Feel automática: R$ 63.990
Versão Shine: acrescenta  ar-condicionado automático, volante em couro, bancos em tecido/couro, detector de obstáculo traseiro, câmera de ré, piloto automático, acionamento automático dos faróis, sensor de chuva e três apoios de cabeça traseiros
Preço - Shine: R$ 69.290

Autor: Luiz Humberto Monteiro Pereira (Auto Press)
Fotos: Luiz Humberto Monteiro Pereira/Carta Z Notícias e Divulgação

Quando os cubos rodam - Com seu estilo "squarcle", o renovado Aircross chega para embalar a Citroën no mercado latino-americano

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes
Publicado em: 25 Nov 2015 18:30:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário