22 de mai de 2015

Lançamento no Brasil dos Mercedes AMG C63S e GTS

Lançamento no Brasil dos Mercedes AMG C63S e GTS

Como um todo, o mercado automotivo brasileiro não anda em seus melhores dias. No primeiro quadrimestre, as vendas totais de automóveis no país caíram 18% em relação ao mesmo período do ano passado. Mas, aparentemente, a parcela mais rica da população não tem do que se queixar. Pelo contrário. Os segmentos de veículos de altíssimo luxo têm registrado expressivas elevações nas vendas. É o caso da linha AMG, a mais esportiva e requintada da já elitizada marca de automóveis Mercedes-Benz. No ano passado, a linha AMG registrou seu recorde de vendas no Brasil, com 504 unidades emplacadas. E os números desse ano indicam que o recorde será novamente quebrado. Para ajudar a AMG a pegar ainda mais embalo por aqui, a Mercedes acaba de apresentar dois novos modelos, que começam a ser vendidos em junho. Tratam-se do C 63 S e do GT S, que investem em motores mais fortes, maior requinte e novas tecnologias em relação aos seus modelos originários na linha Mercedes – respectivamente o sedã Classe C e o cupê GT.

Veja também:
  • Mercedes AMG GT virá ao Brasil com preços a partir de R$ 800 mil
No caso do C 63 S e do GT S, a "estrela da companhia" é o poderoso 4.0 litros V8 biturbo de 510 cv de potência e boçais 71,4/66,3 kgfm de torque máximo, respectivamente. Os dois turbocompressores são posicionados dentro do V formado pelos cilindros – uma configuração conhecida como "hot inside V". O motor é montado manualmente em Affalterbach, segundo o princípio "um homem, um motor", tradicional nos modelos AMG. Cada um dos propulsores leva a assinatura do técnico responsável pela sua produção. O câmbio esportivo de ambos os modelos é um SpeedShift MCT com sete velocidades.

Mas nem só de "powertrain" se faz um AMG. A suspensão dos dois modelos é a esportiva Ride Control, o diferencial blocante traseiro é controlado eletronicamente e o sistema Dynamic Select oferece modos de transmissão específicos para cada demanda - todas essas tecnologias são heranças da atuação dos modelos AMG nas pistas de corridas. A suspensão Ride Control é regulável e a função Race Star ajuda a ganhar força nas partidas. Segundo a Mercedes, o C 63 S acelera de zero a 100 km/h em 4,0 segundos e atinge a velocidade máxima de 290 km/h, eletronicamente limitada. A relação peso-potência é de excepcionais 3,4 kg/cv. Já no caso do GT S, o zero a 100 km/h pode ser feito em apenas 3,8 segundos e a velocidade máxima fica em 310 km/h, também controlada eletronicamente. E a relação peso-potência fica em realmente impressionantes 3,1 kg/cv.

Não vai ser muito fácil esbarrar com esses modelos pelos engarrafamentos nacionais. Afinal, seus preços fazem com que sejam destinados apenas a requintadas garagens de umas poucas mansões brasileiras. O GT S é oferecidos por US$ 329.900, enquanto o C 63 S sai por US$ 209.900. Mesmo com a Mercedes-Benz prometendo praticar o câmbio "camarada" de R$ 2,60 por dólar para os dois lançamentos, ainda assim os novatos, em reais, atingem valores impressionantes – R$ 857.740 no GT S e R$ 545.740 no C 63 S. Nessa faixa, concorrerão com compatriotas alemães igualmente destinados à faixa mais abonada da população, como Audi R8 e RS4 e BMW M3.

Primeiras impressões

"Ligeiras" impressões

Mogi-Guaçu/SP – No circuito Velo Città, no município paulista de Mogi-Guaçu, a Mercedes-Benz colocou os novatos C 63 S e GT S, além de outros modelos da linha AMG, para serem avaliados pela imprensa especializada brasileira. Nas bem desenhadas curvas do autódromo, foi possível verificar o comportamento feroz do C 63 S, que entrega um torque abusivo à mais leve pressão no pedal da direita. Felizmente, os freios são bem dimensionados e permitem reduzir prudentemente a velocidade antes das curvas.

Impressiona no C 63 S a absurda capacidade de ganhar velocidade, felizmente contrabalançada pela descomunal habilidade de parar o bólido exibida pelos freios a disco. Outro detalhe igualmente impressionante é o ronco de fera exibido pelo motorzão V8 4.0 litros de 510 cv e 71,4 kgfm de torque. Lembra bastante o ronco dos bólidos Mercedes-AMG dirigidos por Nico Rosberg e Lewis Hamilton na Fórmula 1.
No caso do GT S, a percepção é ainda mais acentuada. O cupê é bem mais baixo que o sedã e, nas curvas, transmite uma sensação de estabilidade tão absoluta que parece rodar sobre trilhos, tamanho seu equilíbrio. Seus 510 cv e 66,3 kgfm chegam às rodas de forma avassaladora e as retomadas do cupê lembram as meteóricas "saídas de cena" do velho personagem de desenhos animados Papaléguas – aquele que sempre deixava o esfomeado coiote a ver navios. É um brinquedo divertido, para gente muito – mas muito mesmo – rica.

Ficha técnica

Mercedes-AMG C 63 S

Motor: Gasolina, dianteiro, longitudinal, 3.982 cm³, dois turbos, oito cilindros em “V”, quatro válvulas por cilindro e comando duplo no cabeçote. Injeção eletrônica multiponto sequencial. Acelerador eletrônico.
Transmissão: Câmbio automático com sete marchas à frente e uma a ré. Tração traseira. Controle eletrônico de tração.
Potência máxima: 510 cv a 5.500 rpm.
Aceleração 0-100 km/h: 4 segundos.
Velocidade máxima: 290 km/h, limitada eletronicamente.
Torque máximo: 71,4 kgfm entre 1.750 e 4.500 rpm.
Diâmetro e curso: 83 mm X 92 mm.
Taxa de compressão: 10,5:1.
Suspensão: Dianteira com quatro braços e conexões de freios especiais para competição. Traseira independente do tipo multilink com amortecedores ajustáveis e diferencial blocante. Oferece controle eletrônico de estabilidade.
Pneus: 245/35 R19 na frente e 265/35 R19 atrás.
Freios: Discos ventilados na frente e atrás. Oferece ABS com EBD e assistente de frenagem de emergência.
Carroceria: Sedã com quatro portas e quatro lugares. Com 4,76 metros de comprimento, 2,02 m de largura, 1,43 m de altura e 2,84 m de entre-eixos. Oferece airbags frontais, laterais dianteiros e traseiros, cortina e de joelho para o motorista.
Peso: 1.730 kg.
Capacidade do porta-malas: 480 litros.
Tanque de combustível: 66 litros.
Produção: Affalterbach, Alemanha.
Lançamento: 2014.
Preço: US$ 209.900, equivalente a cerca de R$ 545.740.

Mercedes-AMG GT S

Motor: Gasolina, dianteiro, longitudinal, 3.982 cm³, dois turbos, oito cilindros em “V”, quatro válvulas por cilindro e comando duplo no cabeçote. Injeção eletrônica multiponto sequencial. Acelerador eletrônico.
Transmissão: Câmbio automático com sete marchas à frente e uma a ré. Tração traseira. Controle eletrônico de tração.
Potência máxima: 510 cv a 6.250 rpm.
Aceleração 0-100 km/h: 3,8 segundos.
Velocidade máxima: 310 km/h, limitada eletronicamente.
Torque máximo: 66,3 kgfm entre 1.750 e 4.750 rpm.
Diâmetro e curso: 83 mm X 92 mm.
Taxa de compressão: 10,5:1.
Suspensão: Dianteira e traseira com braços duplos em V, com amortecedores ajustáveis eletronicamente. Controle eletrônico de estabilidade.
Pneus: 265/35 R19 na frente e 295/30 R20 atrás.
Freios: Discos ventilados na frente e atrás. Oferece ABS com EBD e assistente de frenagem de emergência.
Carroceria: Cupê com duas portas e dois lugares. Com 4,55 metros de comprimento, 1,94 m de largura, 1,29 m de altura e 2,63 m de entre-eixos. Oferece airbags frontais, laterais, cortina e de joelho para o motorista.
Peso: 1.645 kg.
Capacidade do porta-malas: 350 litros.
Tanque de combustível: Não informado.
Produção: Sindelfingen, Alemanha.
Lançamento: 2014.
Preço: US$ 329.900, equivalente a cerca de R$ 857.740.

Autor: Luiz Humberto Monteiro Pereira (Auto Press)
Fotos: Divulgação

Dias de fúria - Mercedes reforça linha "top" AMG no Brasil com o lançamento dos modelos GT S e C63 S

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Lançamentos
Publicado em: 21 May 2015 08:13:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário