1 de abr de 2015

Impressões do Renault Duster 2016

Impressões do Renault Duster 2016

Honda HRV, Jeep Renegade e Peugeot 2008. Em um período de pouco mais de um mês, três novos modelos chegam para disputar o mercado brasileiro de utilitários esportivos compactos. Certamente um motivo de preocupação para Ford e Renault, que até então brigavam praticamente sozinhas pela liderança do segmento, respectivamente com EcoSport e Duster. A Renault não perdeu tempo e providenciou um “facelift” em seu SUV compacto. O Duster modelo 2016 ganhou uma nova grade, faróis e lanternas foram redesenhados, parachoques também mereceram uma reestilização e detalhes do interior tiveram aperfeiçoamentos. O motores são os mesmos, mas receberam pequenos ajustes.

Veja também:

  • Novo Duster 2016 já está nas concessionárias
Não foi por mera economia de recursos que a Renault deixou de fazer uma reformulação mais profunda no Duster. O pessoal de marketing da marca acredita que – apesar da proliferação de concorrentes no segmento –, o espaço interno, a robustez e o custo/benefício bastarão para manter o nível das vendas nacionais de seu utilitário esportivo – que nos últimos dois anos estiveram acima das 45 mil unidades anuais. Nos primeiros meses de 2015, o Duster encostou no líder EcoSport – cerca de 500 unidades separaram as vendas mensais de um e de outro. 

Assim, as sutis mudanças do modelo 2016 tentam cumprir a função de permitir que o Duster transmita uma maior percepção de modernidade. Ou, pelo menos, que não pareça envelhecido, frente aos novos “players” do segmento. A novidade que mais chama atenção é a grade forntal, que é totalmente nova e incorpora o hipertrofiado logo que é característico da atual “assinatura visual” da marca francesa. Os faróis também foram reestilizados em seus elementos internos, embora o formato de seu contorno permaneça o mesmo. Arrematando as alterações frontais, o parachoques está mais bojudo e agressivo, com grade inferior em estilo colmeia. Na traseira, as lanternas incorporaram um filete de leds. Uma nova faixa com o nome Duster aparece em cima da placa e os pára-choque também foram repaginados. Por dentro, novas padronagens nos bancos – inclusive uma opção com revestimento em couro – e “black piano” na parte central do tablier, que reúne as saídas de ar centrais e uma das grandes apostas da Duster 2016: o Media Nav Evolution. Ao interagir com smatphones, o sistema amplia consideravelmente o potencial de conectividade do SUV. Nos modelos que oferecem o Media Nav, o volante – que também é novo– incorpora alguns comandos satélites do equipamento de informação e entretenimento.

Sob o capô, mais evoluções no mesmo padrão “low profile”. No motor 1.6 16V, tradicionalmente responsável por 75% dos Duster vendidos, a potência máxima ficou nos mesmos 115 cv, mas o torque máximo foi aumentado em 1 kgfm – agora são 14,6 kgfm em 2.500 rotações, ambos com etanol no tanque. Já o motor 2.0 16V ganhou 6 cv e agora tem 148 cv a 5.750 rpm. Também houve ganho de 1 kgfm de torque em baixa rotação, passando para 18,8 kgfm a 2.250 rpm – nos dois casos, quando abastecido com etanol. No Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular do Inmetro, levaram nota “A” em consumo de combustível as três versões Dynamique com câmbio manual: 1.6 16V, 2.0 16V e 2.0 16V 4X4. A economia é reforçada pela função EcoMode. Acionável por meio do botão localizado no painel, limita a potência e o torque do motor e reduz a potência do ar-condicionado. O que permite uma redução de 10% no consumo de combustível, segundo a Renault.

Qualquer transformação mais radical pressionaria a planilha dos custos de produção e provavelmente afetaria os preços do modelo. E a Renault sabe que precisa fazer de tudo para manter o Duster competitivo. Tanto que alguns preços até caíram um pouco nessa linha 2016. A versão mais básica, a Expression 1.6, agora começa em R$ 62.990. Acima dela vêm quatro versões Dynamique. Com motor 1.6  e câmbio manual, parte de R$ 67.990. Com motor 2.0 e câmbio manual, começa em R$ 72.990. E com motor 2.0 e câmbio automático, custa R$ 75.990. Acima dela vem a “top” 4X4 com câmbio manual, que sai por R$ 78.490. Valor que assegura ao Duster um interessante atrativo em termos de marketing: é o veículo 4X4 mais barato do mercado nacional. Em uma briga tão disputada quanto a dos SUVs compactos no Brasil, toda arma tem seu valor.

Primeiras impressões

Ajustes de ocasião

Campinas/SP - Como o mercado brasileiro é “movido a novidade”, o simples fato de quatro marcas terem lançado novos SUVs compactos provavelmente vai embalar as vendas do segmento como um todo. Muitos consumidores que não sabiam bem que tipo de carro comprar serão expostos a tantas campanhas publicitárias dos novos SUVs que acabarão considerando as vantagens dos modelos desse segmento. Mesmo que não sejam exatamente os novos modelos. Para quem souber aproveitar, o aumento da concorrência pode se transformar numa oportunidade. Esse é o “dever de casa” do Duster modelo 2016. A versão avaliada na periferia da cidade paulista de Campinas, alternando rodovias e estradas de terra, foi a Dynamique com motor 1.6  e câmbio manual – que deve se manter como a mais vendida da linha. Uma boa surpresa do Duster 2016 não salta aos olhos, mas aos ouvidos. O eficiente trabalho de evolução no isolamento acústico do modelo. Tanto os ruídos vindos do motor quando os oriundos das rodas foram consideravelmente atenuados. 

Em termos dinâmicos, o carro permanece praticamente o mesmo. O acréscimo de torque na versão na versão 1.6 é quase imperceptível. Nessa configuração, o SUV da Renault não chega a ser moroso, mas continua a exigir um uso intenso da caixa de marchas quando se pretende obter uma performance mais agressiva. Nas subidas de serra, essa característica fica mais evidenciada.
Um dos destaques tecnológicos do Duster modelo 2016 é o Media Nav Evolution. O sistema oferece acesso às informações de trânsito em tempo real, com tecnologia TMC – Traffic Message Channel. Também permite acessar Facebook e Twitter, e ainda consultar por meio do aplicativo Aha, via smartphone, informações como opções de hotéis que constam na base de dados TripAdvisor, restaurantes da base de dados Yelp, informações climáticas da base Custom Weather e acesso a web rádios de todo o mundo. Pena que a tela “touch” de 7 polegadas é posicionada baixo demais e quase sempre fica escondida atrás do braço do motorista. Além disso, o ângulo da tela favorece os reflexos e dificulta a visualização. Na pista de provas do Haras Tuiuti, no município paulista de mesmo nome, foi possível colocar a versão “top” Dynamique 2.0 16V 4X4 para mostrar suas habilidades “off-road”. E o Duster, nessa configuração mais radical, se mostrou um SUV valente, capaz de encarar sem maiores embaraços pirambeiras, lamaçais e valões bastante intimidatórios. A versão 4X4 vende pouco – algo em torno de 6% do mix –, mas é a que vai aparecer nas propagandas, sempre que for preciso valorizar os atributos lameiros da linha.

Ficha técnica

Renault Duster

Motor 1.6: A gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.598 cm³, com quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro, comando duplo no cabeçote. Acelerador eletrônico e injeção eletrônica multiponto sequencial.
Transmissão: Manual de cinco marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira. 
Potência máxima: 110 cv e 115 cv com gasolina e etanol a 5.750 rpm.
Aceleração: 0-100 km/h: 13,5 e 12,7 segundos com gasolina e etanol.
Velocidade máxima: 160 km/h e 164 km/h com gasolina e etanol.
Torque máximo: 15,1 kgfm e 15,9 kgfm com gasolina e etanol a 3.750 rpm.
Diâmetro e curso: 79,5 mm X 80,5 mm. Taxa de compressão: 9,8:1.
Motor 2.0: A gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.998 cm³, com quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro, comando duplo no cabeçote. Acelerador eletrônico e injeção eletrônica multiponto sequencial.
Transmissão: Câmbio manual de seis velocidades à frente e uma a ré (Dynamique 2.0 Manual), automático de quatro marchas à frente e uma a ré (Dynamique 2.0 Automático) ou manual de seis velocidades à frente e uma a ré (Dynamique 2.0 4x4). Tração dianteira ou integral (versão Dynamique 2.0 4x4). Não oferece controle eletrônico de tração.
Potência máxima: 143 cv e 148 cv com gasolina e etanol a 5.750 rpm.
Aceleração: 0-100 km/h: 11,7 e 10,4 segundos com gasolina e etanol (Dynamique 2.0 Manual), 12,1 e 11 segundos com gasolina e etanol (Dynamique 2.0 Automática) e 11,9 e 10,3 segundos com gasolina e etanol (Dynamique 2.0 4x4).
Velocidade máxima: 178 km/h e 186 km/h com gasolina e etanol (Dynamique 2.0 Manual), 170 km/h e 176 km/h com gasolina e etanol (Dynamique 2.0 Automática) e 180 km/h e 187 km/h com gasolina e etanol (Dynamique 2.0 4X4).
Torque máximo: 20,2 kgfm e 20,9 kgfm com gasolina e etanol a 4 mil rpm.
Diâmetro e curso: 82,7 mm X 93,0 mm. Taxa de compressão: 11,2:1.
Suspensão: Dianteira do tipo McPherson com amortecedores hidráulicos telescópicos, triângulos inferiores e molas helicoidais. Traseira semi-independente com barra estabilizadora, molas helicoidais e amortecedores hidráulicos telescópicos verticais. Não possui controle eletrônico de estabilidade.
Pneus: 205/60 R16.
Freios: Discos ventilados na frente e tambores atrás. Oferece ABS.
Carroceria: SUV em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 4,33 metros de comprimento, 1,82 m de largura, 1,68 m de altura e 2,67 m de entre-eixos. Oferece airbag duplo frontal.
Peso: 1.202 kg (com motor 1.6), 1.276 kg (Dynamique 2.0 Manual), 1.294 kg (Dynamique 2.0 Automática) e 1.353 kg (Dynamique 2.0 4x4).
Capacidade do porta-malas: 475 litros (com tração dianteira) e 400 litros (com tração integral).
Tanque de combustível: 50 litros.
Produção: São José dos Pinhais, Paraná.

Itens de série e Preço

Expression 1.6: Airbag duplo, freios ABS, ar-condicionado, direção hidráulica, travas elétricas, volante com regulagem da altura, ar quente, desembaçador do vidro traseiro, faróis com máscara negra, brake light, rodas aro 16 polegadas de aço, rádio com CD/MP3/USB/Bluetooth, vidros elétricos, alarme perimétrico, assento do condutor com regulagem de altura, barras no teto. Preço: R$ 62.990. 
Dynamique 1.6 e Dynamique 2.0 4X2: Adiciona central multimídia com GPS, faróis de neblina, para-choques na cor da carroceria, rodas de liga leve de 16 polegadas, retrovisores elétricos,  sensor de estacionamento, computador de bordo, tomada 12V no compartimento traseiro e vidros do motorista com comando one touch. 
Preço: R$ 67.990 (1.6), R$ 72.990 (Dynamique 2.0 Manual) e R$ 75.990 (Dynamique 2.0 Automática).
Dynamique 2.0 16V 4X4: Adiciona bancos em couro e para-choques bicolores.
Preço: R$ 78.490.
Autor: Luiz Humberto Monteiro Pereira (Auto Press)
Fotos: Luiz Humberto Monteiro Pereira/Carta Z Notícias

Sem perder a compostura - Em um segmento subitamente invadido por novos concorrentes, Renault Duster se renova com evoluções discretas e pontuais

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes
Publicado em: 01 Apr 2015 09:45:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário