28 de jan de 2016

Teste do Jaguar F-Type S cupê

Teste do Jaguar F-Type S cupê

A lógica das marcas que investem nos nichos de volumes bem reduzidos é simples. São carros cujas vendas quase não sofrem nos períodos de crises e, como emplacam poucas unidades nos mercados em que atuam, é preciso explorar todos que apresentam boa receptividade para esses modelos. É exatamente o que a Jaguar faz com o F-Type cupê. Com os bons resultados do segmento premium no Brasil, a marca traz para cá três versões do esportivo. E sua configuração intermediária no país, a S, talvez seja a que leva a melhor vantagem para arrebatar os possíveis compradores. Isso porque, apesar de não ter todos os itens de conforto, acabamento e segurança da variante de topo R, ganha um sopro a mais de esportividade e amplia o ar de exclusividade em relação ao F-Type cupê mais barato.

Veja também:
  • Impressões do Jaguar F-Type cupê, agora no Brasil
  • Teste do Jaguar F-Type Coupé
O F-Type traz algumas referências ao ancestral em sua carroceria, o E-Type, cuja produção foi encerrada em 1974. Caso, por exemplo, dos faróis localizados exatamente nas extremidades dianteiras. Mas não há qualquer espírito retrô em seu design. Ao contrário: a aposta da fabricante foi justamente em um visual ousado, moderno e exuberante.  O modelo, de acordo com a Jaguar, é o mais dinâmico e focado em performance produzido pela marca. Para isso, o primeiro passo foi investir em materiais leves para sua construção, toda feita em alumínio – sendo 50% do metal oriundo de processos de reciclagem. A carroceria do F-Type cupê é moldada a partir de uma peça única, a partir de prensa fria. Esse método, segundo os engenheiros da fabricante, elimina a necessidade de diversos painéis e de outras soluções cosméticas. Apesar da leveza nos materiais utilizados, a rigidez torcional do carro é a maior já alcançada pela Jaguar.  Um charme à parte no design do modelo e que contribui com a aerodinâmica é seu aerofólio. Ele fica escondido até que o condutor ultrapasse a velocidade de 112 km/h, quando aparece sobre a tampa do porta-malas. E permanece acionado ali até que o veículo reduza a menos de 80 km/h. A peça propicia um downforce de 120 kg na traseira do modelo, melhorando sua estabilidade.

Sob o capô, o Jaguar F-Type S cupê guarda um poderoso V6 3.0 capaz de entregar 380 cv – são 40 cv a mais que a versão de entrada, que leva o mesmo propulsor – e torque máximo de 46,9 kgfm. O motor trabalha em conjunto com a transmissão automática de oito velocidades desenvolvida pela ZF. Há ainda a possibilidade de trocas manuais, que podem ser feitas através da alavanca no console central ou de borboletas montadas atrás do volante. A tração é traseira – na Europa, já existe a opção de tração integral para essa motorização, lançada inclusive na linha 2015, mas sem previsão de chegada no Brasil.  O trem de força garante números de desempenho de tirar o fôlego. O zero a 100 km/h é atingido em apenas 4,9 segundos, enquanto a velocidade máxima é limitada eletronicamente em 275 km/h. O valor cobrado pelo modelo segue a mesma intensidade aplicada em suas especificações técnicas. Para colocar um Jaguar F-Type S cupê na garagem, é preciso dispor de R$ 504.500. De fato, só mesmo quem não precisa se preocupar com crise financeira pode se arriscar a pensar em fazer um negócio como esse.

Ponto a ponto

Desempenho – O motor 3.0 V6 rende 380 cv na versão S do Jaguar F-Type e o torque vai a 46,9 kgfm, disponíveis plenamente entre 3.500 e 5 mil giros. Apesar de não ser a configuração mais potente do cupê, não há falta de força em nenhuma situação. O modelo impressiona por sua agilidade tanto no trânsito urbano quanto na estrada. A transmissão automática de oito marchas faz um trabalho impecável e suas trocas são praticamente imperceptíveis. O zero a 100 km/h se dá em bons 4,9 segundos e a velocidade máxima é limitada eletronicamente em 275 km/h. Nota 9. Estabilidade – O Jaguar F-Type foi desenvolvido para esbanjar esportividade e rigidez. E o conjunto suspensivo faz um trabalho realmente impressionante, como se o modelo estivesse circulando sobre trilhos. Mesmo em velocidades elevadas, numa direção mais agressiva, a sensação de segurança impera. Nota 10.

Interatividade – A cabine é cheia de comandos, mas não é difícil se acostumar com eles. Tudo está à mão do condutor e bastam alguns minutos de atenção para se familiarizar com o interior. A central multimídia é bem intuitiva e o painel de informações, extremamente completo. Nota 9. Consumo – O Jaguar F-Type S foi avaliado pelo InMetro e registrou médias de 7,2/10 km/l de gasolina na cidade/estrada. Conseguiu nota B em sua categoria e D no geral, com 2,70 MJ/km de consumo energético. Nota 6.

Conforto – Conforto pleno nem sempre é uma particularidade de cupês esportivos de dois lugares. Mesmo assim, os bancos são agradáveis e a suspensão, apesar de calibrada para manter a estabilidade do esportivo, consegue amenizar as pancadas secas dos desníveis das ruas brasileiras. Nota 8. Tecnologia – A Jaguar não economizou no F-Type. O sistema de entretenimento é sofisticado e completo e os ajustes dos bancos e volante são todos elétricos. A versão S conta com diferencial de escorregamento limitado e amortecedores adaptativos. Há ainda freios de carbono-cerâmica opcionais. O modelo é o mais rígido,  dinâmico e focado em performance criado pela fabricante inglesa, segundo a própria marca. Nota 9.
Habitabilidade – Não há milagres. O F-Type é extremamente baixo, a porta é enorme e o carro tem dimensões avantajadas. Logo, é preciso contar com uma vaga larga para poder entrar no modelo sem se curvar tanto. Pessoas com uma estatura um pouco maior podem se sentir apertadas, mas isso já é algo típico dos esportivos cupês de dois lugares. O porta-malas leva bons 407 litros, próximo ao volume de alguns sedãs compactos. Nota 7. Acabamento – Todos os materiais do interior aparentam ser de primeira qualidade e o padrão de montagem é irretocável. Sobra elegância e bom gosto em todos os cantos. Não há exageros. A mistura de couro marrom escuro com preto agrada e todos os revestimentos são suaves ao toque. Nota 10.
Design – O F-Type Coupé é um dos modelos mais exuberantes à venda. uma sensualidade que só se encontra em marcas italianas. A frente é agressiva, com a grande grade baixa e oval e faróis na extremidade. A linha de cintura serpenteia a lateral e as lanternas bem finas e horizontais acompanham a curvatura acentuada da traseira. É difícil apontar um detalhe que não contribua ao projeto no aspecto estético. Nota 10. Custo/benefício – O Jaguar F-Type S cupê custa R$ 504.500. É bastante e existem opções charmosas e do mesmo estilo mais em conta. Um Porsche Cayman GTS, por exemplo, tem “apenas” 340 cv, mas chega a 285 km/h e cumpre o zero a 100 km/h nos mesmos 4,9 segundos, por R$ 456 mil. De qualquer forma, a compra de um automóvel desse padrão nunca é impulsionada pela racionalidade. Nota 4. Total – O Jaguar F-Type S cupê somou 82 pontos em 100 possíveis.

Impressões ao dirigir

Não é preciso sequer ligar o motor para impressionar quando se tem um Jaguar F-Type disponível. A própria silhueta do carro e seu design ímpar já se destacam em meio a um estacionamento. Não adianta tentar manter a discrição. Aliás, nem tem como. Mesmo em uma tonalidade neutra, como a branca da unidade avaliada. Basta pressionar o botão que dá a partida no motor para logo escutar o ronco agressivo e imponente que sai do 3.0 V6 escondido sob o alongado capô. Parece que o motorista fez questão de anunciar sua força, mas nem um esbarrão no pedal do acelerador é necessário para que o ruído apareça. De dentro, no entanto, é só começar a movimentar o carro suavemente para que o silêncio impere na cabine. E, diante das dimensões nada contidas, é melhor mesmo manter a calma na hora de manobrá-lo.  Com o trânsito livre e se, obstáculos à frente é que se tem a real dimensão das capacidades do F-Type Coupé S. Seus 380 cv e 46,9 kgfm de torque são mais que suficientes para fazer o motorista sorrir de orelha a orelha. O esportivo responde prontamente a cada “ordem” dada através do pé direito e entrega arrancadas, ultrapassagens e retomadas de tirar o fôlego. Aí, sim, com barulho de esportivo. E nem se trata de sua configuração mais potente, já que o modelo pode chegar aos 550 cv e 69,3 kgfm do propulsor V8, que equipa a variante “R”.
O passeio, por maior que seja a velocidade e diante de curvas acentuadas no caminho, é marcado pela extrema sensação de controle do bólido. Parece que nada vai tirar o carro da linha traçada na direção. A impressão é a de se estar rodando com bem menos pressa, tamanha a facilidade e sensação de segurança que acompanham o motorista. Até pela condução mais baixa e o extremo vigor que o F-Type S entrega, a vontade é de se estar em uma pista de corrida para poder levar ao extremo todas as possibilidades que o modelo entrega.  O único incômodo é o entrar e sair do carro. As portas são avantajadas e demandam vagas com boa largura para que os dois passageiros possam se deslocar para dentro e para fora com menos dificuldade. Sim, porque de qualquer jeito será necessário algum contorcionismo. Mas verdade seja dita: uma vez dentro, a não ser que se trate de alguém com estatura muito acima da média, tudo corre às mil maravilhas. Literalmente.

Ficha técnica

Jaguar F-Type S cupê

Motor: A gasolina, dianteiro, longitudinal, 2.955 cm³, seis cilindros em V, quatro válvulas por cilindro e compressor mecânico. Injeção direta de combustível e acelerador eletrônico.
Potência máxima: 380 cv a 6.500 rpm.
Torque máximo: 46,9 kgfm entre 3.500 e 5 mil rpm.
Diâmetro e curso: 84,5 x 89,0 mm.
Taxa de compressão: 10,5:1.
Aceleração 0-100 km/h: 4,9 segundos. 
Velocidade máxima: 275 km/h.
Peso: 1.614 kg.
Transmissão: Câmbio automático com oito marchas à frente e uma a ré. Tração traseira: Oferece controle de tração e diferencial de escorregamento limitado.
Suspensão: Dianteira independente com triângulos sobrepostos. Traseira independente com triângulos sobrepostos. Oferece controle eletrônico de estabilidade de série e amortecedores ativos.
Pneus: 255/35 R20 na frente e 295/30 R20 atrás.
Freios: Discos ventilados na frente e atrás. Oferece ABS com EBD.
Carroceria: Cupê em monobloco construído em alumínio com duas portas e dois lugares. Com 4,47 metros de comprimento, 1,92 m de largura, 1,30 m de altura e 2,62 m de entre-eixos. Oferece airbags frontais e de cabeça de série.
Capacidade do porta-malas: 407 litros.
Tanque de combustível: 72 litros.
Produção: Birmingham, Inglaterra.
Lançamento mundial: Abril de 2014.
Lançamento no Brasil: Maio de 2014.
Itens de série: Controle de estabilidade e tração, faróis bi-xenon, lanternas traseiras de leds, aerofólio traseiro com acionamento elétrico, trio elétrico, capota com acionamento elétrico, airbags frontais e laterais com proteção de cabeça, keyless, sensor de estacionamento dianteiro e traseiro, câmara de ré, bancos de couro com ajuste elétrico, sistema de som Meridian com 10 alto-falantes e tela sensível ao toque de 8 polegadas, GPS, coluna de direção com ajustes elétricos, cruise control automático, ar-condicionado dual zone, diferencial de escorregamento limitado, escapamento ativo, bancos performance, amortecedores adaptativos e suspensão ativa. 
Preço: R$ 504.500.
Autor: Márcio Maio (Auto Press)
Fotos: Isabel Almeida/Carta Z Notícias

Exuberância sem pudores - Jaguar F-Type S cupê desfila design e desempenho com garantia de exclusividade nas ruas brasileiras

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes
Publicado em: 27 Jan 2016 13:00:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário