21 de jan de 2016

Teste da Mercedes-Benz C200 Avantgarde

Teste da Mercedes-Benz C200 Avantgarde

A Mercedes-Benz não tem do que reclamar do Brasil. Mesmo sem ter iniciado sua produção nacional – a fábrica de Iracemápolis, em São Paulo, será inaugurada ainda neste primeiro trimestre de 2016 –, a marca alemã fechou o ano passado com crescimento de 47% em relação a 2014. Foram 17.525 automóveis emplacados, sendo 7.532 deles unidades do sedã Classe C – modelo, inclusive, escolhido para estrear a produção no país. O carro é o mais vendido pela Mercedes-Benz e acabou 2015 com o veículo com maior número de emplacamentos em todo o segmento premium. Deste total, 2.316 exemplares foram na configuração intermediária C200 Avantgarde, que equivalem a 30,7% de todos os Classe C vendidos e 13,2% de todos os modelos da marca entregues a consumidores do Brasil. 

Os números são condizentes com a proposta da fabricante germânica para o novo Classe C. Quando foi lançada na Europa, em março de 2014, sua quinta geração recebeu o apelido de “Pequeno Classe S”. Isso em função da intenção de oferecer no modelo médio boa parte das vantagens do sedã grande topo de linha da Mercedes. Para isso, a marca apostou em boa tecnologia embarcada e acabamento superior ao que entregava. Como versão intermediária, a C200 Avantgarde não é a que mais expressa essa condição de requinte, mas já se mostra fiel à proposta. O motor é o mesmo 2.0 que equipa a configuração de topo C250 Sport, mas calibrado para render 27 cv a menos. São 184 cv com 30,6 kgfm de torque, este último já disponível em 1.200 giros. O propulsor trabalha em conjunto com um câmbio automático de sete marchas que joga a força para as rodas traseiras. E apesar de ter quase 1,5 tonelada de peso, o C200 sai da inércia e atinge 100 km/h em 7,3 segundos. Nada mau para um modelo com apelo tão familiar e tradicional quando o Classe C.

O padrão do acabamento foi aprimorado, com a adoção de revestimentos mais sofisticados, que misturam cromados suaves ao toque, materiais pretos e couro perspontado em branco. Externamente, ganhou 9,5 cm no comprimento, 4 cm na largura e 8 cm no entre-eixos. Além disso, vincos reforçados na frente e na lateral conferem uma estética esportiva e musculosa ao sedã. A nova grade ostenta a grande logo com a estrela de três pontas e a traseira se aproxima visualmente do  Classe S, com um caimento suave. Já o conjunto ótico é todo em leds – isso vale para todas as versões. Na parte tecnológica, o start/stop também é de série para toda a linha e a direção, que antes era hidráulica, passou a ser eletromecânica. Também é de fábrica um sistema que distribui a força de frenagem entre as rodas de cada eixo, conforme a situação. A C200 Avantgarde recebe ainda o Active Park Assist, que praticamente estaciona o veículo sozinho, e alerta que deduz se o motorista apresenta fadiga ou sonolência a partir de seu comportamento na direção. Por falar na condução, são cinco modos distintos: Comfort, ECO, Sport, Sport + e Individual – este último, personalizável, de acordo com a vontade do motorista. A central multimídia não tem tela touch, mas permite acesso à internet.

Ponto a ponto

Desempenho – A versão intermediária do sedã é equipada com o motor 2.0 turbo calibrado para render 184 cv de potência e torque máximo de 30,6 kgfm, disponível entre 1.200 a 4 mil rpm. São números que conferem boa disposição ao modelo. A transmissão automática de sete marchas tem trocas rápidas, sempre realizadas nos momentos certos. Arrancadas e retomadas são vigorosas e o zero a 100 km/h, embora não seja desconcertante, agrada: 7,3 segundos. Nota 8. Estabilidade – A suspensão tem um ajuste primoroso e faz o C 200 Avantgarde gostar de curvas em alta velocidade. A sensação de segurança e a precisão com que o conjunto atua chamam a atenção de quem dirige. A tração traseira reforça a esportividade do sedã e os sistemas eletrônicos, nada intrusivos, ampliam ainda mais a estabilidade. Nota 10. Interatividade – Não há comandos fora do lugar, mas a utilização da central multimídia não é das mais fáceis. É preciso recorrer a uma espécie de “joystick” localizado onde, normalmente, está a alavanca do câmbio de carros de outras marcas. A transmissão é acionada por uma haste à direita da coluna de direção, que também não é lá muito prática. Nota 7.

Consumo – O InMetro aferiu médias de 8,9/12,1 km/l de gasolina – único combustível aceito pelo Classe C – na cidade/estrada, com 2,18 MJ/km de consumo energético. O resultado rendeu nota B na categoria e C na geral. Nota 7. Conforto – O Classe C é um veículo com rodar suave, como convém a um sedã dessa categoria. A suspensão prioriza a estabilidade, mas até absorve bem os desníveis das ruas brasileiras. Os bancos são confortáveis e aconchegantes e o espaço interno é farto para transportar quatro pessoas. Nota 8. Tecnologia – Há sistema start/stop – que desativa o motor quando o carro está parado, para economizar combustível –, central multimídia com rádio/CD, tela fixa com sete polegadas, Bluetooth, GPS e entradas auxiliar e USB, cinco programas de condução, faróis com leds, sistema de estacionamento semi-autônomo para vagas perpendiculares e paralelas, alerta de fadiga ou sonolência em velocidades entre 60 e 200 km/h e o monitoramento da pressão dos pneus. Nota 9.

Habitabilidade – Há bons espaços para guardar objetos de uso freqüente e o porta-malas carrega 480 litros. Os acessos pelas portas dianteiras e traseiras são fáceis e não é difícil achar uma posição cômoda em qualquer dos assentos. Nota 9. Acabamento – Os revestimentos são sofisticados e combinam tons sóbrios e elegantes. A configuração Avantgarde mescla certa esportividade, com cromados em aspecto de alumínio escovado e materiais em preto. As peças cobertas por couro apresentam perspontos brancos e tudo é suave ao toque. Bom para a visão e para o tato. Nota 9. Design – Os vincos frontais e laterais inserem um visual mais robusto ao sedã médio e, ao mesmo tempo, incorpora uma imagem mais contemporânea. O conjunto ótico tem clara inspiração no Classe S, maior três volumes da marca alemã. A grade também lembra o “top” da linha Mercedes. Mas as inovações estéticas não arrancaram a imagem clássica e sóbria do modelo. Nota 8.
Custo/benefício – O Mercedes-Benz C200 Avantgarde custa R$ 164.900. Um Audi A4 top de linha sai a R$ 150.190, enquanto um BMW 320i Sport ActiveFlex custa R$ 163.950 na linha 2016. Todos são caros, mas o Audi se sai melhor na comparação. Nota 6. Total – O Mercedes-Benz C200 Avantgarde obteve 81 pontos dos 100 possíveis.

Impressões ao dirigir

Apesar de cada vez mais frequente nas ruas, o Mercedes-Benz Classe C ainda chama atenção por onde passa. O modelo ganhou um design que manteve o visual clássico do sedã médio alemão, mas inseriu também a ideia de contemporaneidade e esportividade que a marca tem adotado em seus carros. Mas verdade seja dita: os olhares em direção ao carro partem, principalmente, dos pedestres e motoristas mais experientes.  O primeiro contato com o carro causa estranhamento. A começar pela alavanca do câmbio, que no C200 Avantgarde é uma haste posicionada atrás do volante. É charmoso, mas pouco prático. Principalmente nas manobras de estacionamento. Por falar nisso, o C200 tem sistema que para o modelo em vagas perpendiculares e paralelas quase sem a intervenção do motorista. Uma comodidade e tanto para quem dirige constantemente por grandes centros urbanos e cuja especialidade ao volante não seja bem essa.
Em movimento, já se espera de um Mercedes-Benz certo vigor. No C200, o motor 2.0 rende 184 cv e 30,6 kgfm de torque, disponíveis a apenas 1.200 rpm. Com isso, arrancadas e retomadas são eficientes em qualquer faixa de giros. O câmbio de sete marchas consegue arrancar do propulsor um desempenho bem convincente, com respostas rápidas e sem vacilos. Ao se optar pelas trocas manuais, através de aletas no volante, a direção se torna ainda mais instigante e prazerosa. Isso, é claro, quando se tem o caminho livre para explorar os predicados do trem de força.  A suspensão também surpreende. O comportamento em curvas, em velocidades elevadas, é neutro e muitas vezes faz as estradas parecerem menos sinuosas do que de fato são. É difícil notar a traseira se mexer e a sensação de segurança é permanente.

Ficha técnica

Mercedes-Benz C200 Avantgarde

Motor: Gasolina, dianteiro, longitudinal, 1.991 cm³, quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro, turbo, comando duplo no cabeçote e duplo comando variável de válvulas. Acelerador eletrônico e injeção direta.
Transmissão: Automática com sete marchas à frente e uma a ré. Tração traseira. Oferece controle de tração.
Potência: 184 cv entre 3 mil e 5.500 rpm.
Torque: 30,6 kgfm entre 1.200 rpm e 4 mil giros.
Aceleração de zero a 100 km/h: 7,3 segundos.
Velocidade máxima: 235 km/h.
Diâmetro e curso: 83 mm x 92 mm.
Taxa de compressão: 9,8:1.
Suspensão: Dianteira independente do tipo four-link, com barra estabilizadora e traseira do tipo multi-link com subchassi em alumínio e barra estabilizadora.
Peso: 1.445 kg.
Pneus: 205/60 R16.
Suspensão: Dianteira independente do tipo four-link, com barra estabilizadora e traseira do tipo multi-link com subchassi em alumínio e barra estabilizadora. Amortecedores pressurizados nas quatro rodas controlados eletronicamente e controle automático de rigidez e altura.
Freios: Discos ventilados na frente e sólidos atrás. ABS de série.
Carroceria: Sedã em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 4,68 metros de comprimento, 1,81 m de largura, 1,44 m de altura e 2,84 m de distância entre-eixos. Oferece airbags frontais, laterais e de cortina de série.
Capacidade do porta-malas: 480 litros.
Tanque de combustível: 48 litros.
Produção: Bremen, Alemanha. 
Itens de série: Antena para GPS, sensor de chuva, preparação para Map Pilot, navegação GPS Garmim Map Pilot, piloto automático e limitador de velocidade, aviso de perda de pressão dos pneus, proteção do cárter, suspensão comfort, sistema Audio 20 com touchpad, alarme, ar-condicionado dual zone, faróis full led, molduras internas em alumínio, leitor de CD, luzes internas, sensor de alarme nos vidros, start/stop, sistema de alerta de fadiga, conectividade via Bluetooth para celular e players de mídia, controle de temperatura automático independentes para motorista e passageiro da frente, freios adaptive brake (ABR), controle eletrônico de estabilidade (ESP), distribuição eletrônica de força de frenagem (EBD), sistema anti-bloqueio dos freios (ABS), controle de tração na aceleração (ASR), tração eletrônica em (ETS), assistente de partida na subida (HSA), função Hold, Isofix, sistema de auxílio ao estacionamento Active Parking Assist, retrovisores com antiofuscante automático, banco do motorista com ajustes elétricos, teto solar elétrico e espelhos com rebatimento elétrico.
Preço: R$ 164.900.

Autor: Márcio Maio (Auto Press)
Fotos: Jorge Rodrigues Jorge/Carta Z Notícias

Ponto de equilíbrio - Classe C200 Avantgarde é peça-chave no crescimento de 47% da Mercedes-Benz no Brasil

Fonte: Salão do Carro
Categoria: Testes
Publicado em: 20 Jan 2016 13:19:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário